Levir rechaça missão impossível e quer ver Galo renascendo na Liberta

Técnico reconhece que o time está devendo e frisa que recuperação em busca do bi da América depende do empenho dos jogadores

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Levir Culpi sonha com mais um título de Copa do Brasil em seu currículo
NIDIN SANCHES / O TEMPO
Levir Culpi sonha com mais um título de Copa do Brasil em seu currículo

O tropeço em pleno Independência, nessa quarta-feira, para o Atlas-MEX, definitivamente não estava nos planos do Atlético. O baque pela derrota diante da torcida é inegável, assim como a ineficiência do time neste início de temporada. Diante do atual cenário, o técnico Levir Culpi evoca a capacidade de superação que marcou a história do Galo, a fim de contrariar aqueles que cravam a derrocada do Alvinegro na Libertadores.

Já são dois reveses em duas rodadas do torneio continental, somado ao risco de ver Colo Colo-CHI ou Santa Fé-COL se isolarem na ponta do Grupo 1 (ambos se enfrentam nesta noite e quem vencer chega a seis pontos). Com a situação complicada para o lado do Atlético, restando ainda 12 pontos em disputa, Levir Culpi admite que a missão de se classificar é árdua, mas não impossível.

“A projeção é vencer os jogos. Precisamos melhorar o conjunto, a condição tática, técnica e física. São vários fatores que têm que caminhar para um lado só. A tarefa é muito difícil, mas nunca impossível para o Atlético”, disse.

Além de fazer o time melhorar seu futebol com urgência, Levir tem a missão também de não deixar o abatimento tomar conta dos jogadores depois das atuações ruins que culminaram em derrota nos últimos três jogos que o time fez na temporada. Para mudar o quadro, o comandante alvinegro frisa que é fundamental uma tomada de postura e muito esforço por parte do elenco.

“Todos estamos tristes agora, torcida, os atletas lá dentro (do vestiário) parecia velório. E uma derrota dessa que ninguém esperava, mas, às vezes começa a nascer aí a reação que o Atlético é capaz de ter, vai depender do esforço de cada um e do conjunto. Já saímos de situações mais difíceis que essa, acredito no grupo e acho que podemos dar a volta por cima”, avaliou, concluindo que o fato que mais o entristece no momento que o time vive é que o Galo não tem conseguido se apresentar razoavelmente, sendo merecedor dos placares adversos que tem sofrido.

“O que me deixa triste é o resultado, a maneira como o time se coloca, a maneira como perde. Se perde jogando bem, vou para a casa tranquilo. Mas não foi assim”, concluiu.

Até a próxima partida pela Libertadores, agendada para dia 18 de março, contra o Santa Fé, em Bogotá, o Galo terá quatro jogos válidos pelo Campeonato Mineiro, inclusive o clássico contra o Cruzeiro. Chance para o time se acertar e mostrar a evolução necessária a fim de iniciar a reação em busca do bi da América.

Leia tudo sobre: atleticogalolevirtecnicolibertadoresreacaoimpossivelfutebol