Governo grego dá ultimato aos clubes de futebol do país

Vários jogadores e clubes da primeira divisão descordaram da decisão do governo de suspender a rodada do Campeonato Grego deste fim de semana

iG Minas Gerais | AFP |

O ministro-adjunto dos Esportes da Grécia, Stavros Kontonis, deu nesta quinta-feira um ultimato aos clubes do país, alertando que o governo fará todo o possível para erradicar a violência dos estádios de futebol, mesmo se isso significar à exclusão das competições europeias.

"Não adiaremos as medidas nem por um minuto e não aceitamos ameaças. Não vamos deixar as equipes gregas fazerem o que bem entenderem, mesmo se isso significar a exclusão das competições internacionais", ameaçou Kontonis em entrevista à televisão grega.

Vários jogadores e clubes da primeira divisão descordaram da decisão do governo de suspender a rodada do Campeonato Grego deste fim de semana, depois de mais um episódio de violência no futebol do país.

"O quadro legislativo que regula o futebol grego hoje é frágil, não dá nenhuma brecha ao governo para uma possível intervenção. Se o governo não controla, não pode atuar", explicou Kontonis.

O governo grego anunciou na quarta-feira a suspensão das partidas da primeira divisão deste fim de semana, enquanto decide as medidas a serem tomadas, depois dos incidentes ocorridos no último domingo, no clássico entre Panathinaikos e Olympiakos.

"Nestas condições, é impossível dar sequências às competições", declarou Kontonis na quarta-feira.

Esta será a terceira suspensão da competição na atual temporada. A primeira foi decretada em setembro, depois da morte de um torcedor em Creta, durante uma partida válida pela terceira divisão do futebol grego.

Em novembro, a rodada do Campeonato Grego voltou a ser suspensa após a agressão a um árbitro, que precisou ser hospitalizado.

A violência continuou na terça-feira, numa reunião de presidentes de clubes gregos que precisou ser interrompida depois de uma briga entre os mandatários do Olympiakos, Vangelis Marinakis, e Panathinaikos, Giannis Alafouzos.

Leia tudo sobre: Futebol internacionalGréciaviolência