Sindicalistas promovem em Brasília novo ato em defesa da Petrobras

Ontem, a agência de classificação de risco Moody's rebaixou a nota da Petrobras, com isso, a estatal perde o grau de investimento e passa para o grau especulativo

iG Minas Gerais | Agência Brasil |

Em novo ato público, petroleiros e sindicalistas divulgam manifesto em defesa da competência e produtividade da Petrobras
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Em novo ato público, petroleiros e sindicalistas divulgam manifesto em defesa da competência e produtividade da Petrobras

Depois do ato realizado ontem (24) no Rio de Janeiro, com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, petroleiros e sindicalistas promoveram hoje (25), em Brasília, uma manifestação em defesa da Petrobras. Segundo os trabalhadores, as denúncias de corrupção estão sendo utilizadas para pressionar a privatização da empresa.

“A corrupção tem de ser combatida, mas não pode ser usada para inviabilizar a empresa. Por trás das denúncias de corrupção, há uma política para inviabilizar a Petrobras. O ato é para mostrar esta realidade”, informou o coordenador do Sindicato dos Petroleiros (Sindipetro) em São Paulo, Vereníssimo Barçante.

Ontem, a agência de classificação de risco Moody's rebaixou a nota da Petrobras de Baa3 para Ba2. Com isso, a estatal perde o grau de investimento e passa para o grau especulativo, indicando que investir na estatal brasileira passou a ser uma operação mais arriscada.

O ato,  que reuniu 100 sindicalistas e representantes de movimentos sociais, faz parte de uma campanha nacional em defesa da Petrobras.

Manifesto divulgado pelos petroleiros revela que as denúncias de corrupção também têm “servido a uma campanha visando à desmoralização da Petrobras, com reflexos diretos sobre o setor de óleo e gás, responsável por investimentos e geração de empregos em todo o País, campanha que já prejudicou a empresa e o setor em escala muito superior aos desvios investigados".

Para Barçante, que há 35 anos trabalha na empresa, apesar dos recordes de produção, a Petrobras sofre com ataques questionando sua capacidade técnica e de investimento.

“Mesmo nessa crise, conseguimos aumentar a produção, pois nosso corpo técnico é competente. Hoje, a Petrobras está quebrando recordes e mais recordes de produção, mas escutamos segmentos afirmando que ela não tem competência para trabalhar no Pré-Sal, para produzir e que precisa ser privatizada”, acrescentou.

Segundo dados divulgados pela Federação Única dos Petroleiros (FUP), a produção de petróleo e gás em 2014 alcançou 2,67 milhões de barris equivalentes/dia (no Brasil e exterior). Destes, 666 mil foram produzidos no Pré-Sal.

“Para coroar esses recordes, em setembro de 2014 a Petrobras tornou-se a maior produtora mundial de petróleo entre as empresas de capital aberto, superando a ExxonMobil (Esso)”, ressalta o manifesto divulgado pelos petroleiros.

“Defendemos a punição para corruptos e corruptores, mas o que está atrás dos ataques são interesses pela desclassificação da empresa. Cria-se a ideia de que a Petrobras é incompetente, que não pode cuidar do pré-sal”, afirmou o diretor da FUP, Francisco José de Oliveira.

No próximo dia 13, outra manifestação está agendada para a Avenida Paulista, em São Paulo.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave