Com protesto, Alckmin deixa evento no interior antes do previsto

Com cartazes e um megafone, o grupo -de quatro cursos do campus de Franca da Unesp (Universidade Estadual Paulista)- pedia melhoras para a educação

iG Minas Gerais | Folhapress |

Alckmin diz que não irá se intimidar por ameaça de grupo criminoso
Arquivo
Alckmin diz que não irá se intimidar por ameaça de grupo criminoso

Ao participar de uma solenidade em Franca (a 400 km de São Paulo) no início da tarde desta quarta-feira (25), o governador Geraldo Alckmin (PSDB) deixou o local antes do previsto pelo seu cerimonial. Um grupo de 35 estudantes fazia um protesto em frente ao Parque Fernando Costa, onde ocorreu a cerimônia.

Com cartazes e um megafone, o grupo -de quatro cursos do campus de Franca da Unesp (Universidade Estadual Paulista)- pedia melhoras para a educação.

Ao chegar ao parque após as 12h desta quarta para a entrega de 53 carros para a polícia, Alckmin sequer chegou a ficar sob as quatro tendas instaladas a pedido da prefeitura. No local, delegados das cidades da região e policiais civis o aguardavam, assim como políticos regionais e os estudantes da Unesp.

Não houve sequer um pronunciamento, apesar de os microfones estarem no local e um espaço ter sido reservado para uma entrevista coletiva que Alckmin daria à imprensa.

A assessoria do governo negou que Alckmin tenha deixado a cerimônia por causa do protesto e disse ele fez isso por ter um compromisso em Brasília.

"Aos olhos do que a gente viu, de ele ter saído da forma que saiu, supõem-se que foi por causa dos estudantes. É uma pena, passa uma imagem ruim que não condiz com a cidade", afirmou Sérgio Buranelli, secretário da Segurança de Franca, cidade administrada pelo tucano Alexandre Ferreira.

A reportagem ouviu cinco delegados que estavam no parque para o ato. Sob condição de anonimato, disseram estranhar a atitude do tucano de não participar do evento todo e atribuíram ao barulho provocado pelos alunos de direito, história, relações internacionais e serviço social que foram ao espaço.

Segundo um deles, o barulho do megafone dos estudantes não o deixaria falar.

"Protestamos por condições mínimas de permanência dos estudantes na universidade, especialmente os mais carentes. A Unesp está sucateada, mas não só ela, todas as universidades enfrentam muitas dificuldades", afirmou o estudante Mateus França Holmo, 21, coordenador do centro acadêmico do curso de relações internacionais.

Segundo ele, além do protesto com cartazes e megafone, o grupo queria entregar a Alckmin uma carta com pautas para o ensino estadual. "A equipe do governador que estava aqui antes da chegada dele exigia cinco nomes de líderes do movimento, mas não entregamos. A Polícia Militar também tentou exigir nossa identificação", disse Holmo.

Antes de ir para o Parque Fernando Costa, Alckmin inaugurou o AME Mais no centro da cidade, que tem três salas cirúrgicas, com capacidade de fazer 200 cirurgias de média complexidade por mês. No local, o cerimonial de Alckmin havia informado que os jornalistas seriam atendidos após o evento no parque, o que não aconteceu.

COMPROMISSO AGENDADO

Questionada, a assessoria de Alckmin informou que ele tem um compromisso em Brasília na tarde desta quarta-feira, que já estava previamente agendado, e que por isso deixou o local.

A assessoria disse ainda que o tucano não evita contato com ninguém, "seja ele manifestante ou não", e que "qualquer ilação entre o episódio [...] e a saída do governador para cumprimento da sua próxima agenda é factoide".

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave