Ídolo dá a receita para vitória

O duelo foi vencido pelo Cruzeiro por 2 a 1. Foi dos pés de Tostão que saiu o primeiro gol azul em partidas contra bolivianos

iG Minas Gerais | Josias Pereira |

O duelo entre Universitario-BOL e Cruzeiro remexe o baú de histórias e traz à tona lembranças de confrontos entre a Raposa e os bolivianos. Tudo começou em 1971, mais precisamente no dia 9 de fevereiro. O time celeste partiu para uma série de amistosos pela América do Sul. Entre os rivais, adversários peculiares e locais inusitados. Com quatro campeões mundiais em 1970 no plantel – Brito, Fontana, Piazza e Tostão, a Raposa foi até La Paz encarar o The Strongest.  

No primeiro duelo frente a rivais bolivianos, os 3.600 m de altitude de La Paz fizeram efeito. O craque Tostão que o diga. “Nunca fui de sentir dor de cabeça em viagens, mas na véspera daquele jogo, passei mal no hotel. Não consegui dormir, fiquei andando pra lá e pra cá para ver se passava, até que o pessoal me sugeriu tomar um chá de coca. É costume deles. Todo mundo tomava. Deu uma amenizada nos efeitos da altitude. Era um amistoso mesmo, e também não corríamos o risco de cair no doping”, recorda Tostão, em entrevista a O TEMPO.

O duelo foi vencido pelo Cruzeiro por 2 a 1. Foi dos pés de Tostão que saiu o primeiro gol azul em partidas contra bolivianos. Dirceu Lopes completou o marcador, enquanto Romero descontou para o The Strongest.

“Naquele jogo, tivemos dificuldades, mas colocamos os bolivianos na roda. A altitude realmente influencia. Mas nessas condições você precisa jogar com inteligência. Tocamos a bola pra lá e pra cá, fizemos nossos gols, e não demos chances para eles. É assim que um time que vai jogar lá precisa se comportar. Segurando a bola o máximo possível, atuando com paciência”, receita. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave