Só continuam obras em curso

Do total, R$1 bilhão é originário de empréstimo do Banco do Brasil e R$ 2 bilhões originários de um empréstimo autorizado pelo Ministério da Fazenda

iG Minas Gerais | Guilherme Reis |

Helvécio disse que o governo vai tocar obras com empréstimos
HenriqueChendes/Imprensa MG
Helvécio disse que o governo vai tocar obras com empréstimos

Sem dinheiro para fazer investimentos, o secretário de Planejamento Helvécio Magalhães anunciou que Minas irá tocar obras por meio de empréstimos tomados junto ao governo federal no valor de R$ 3 bilhões. A peça orçamentária enviada à Assembleia em 2014 previa R$ 83 bilhões de receita e despesa, mas o atual governo alega que déficit é de R$ 6 bilhões.  

De acordo com Helvécio Magalhães, dos R$ 7 bilhões previstos na peça orçamentária para fazer investimentos, não há nenhum centavo. “O orçamento não é real. Não temos dinheiro para investir, mas apenas para cumprir o mínimo constitucional para manter a saúde, educação e a folha de pagamento.”

O secretario de Pimentel ainda ressaltou que o governo de Minas só conseguirá manter obras que já estão em curso devido a R$ 3 bilhões que serão recebidos via governo federal em operações de crédito. Do total, R$1 bilhão é originário de empréstimo do Banco do Brasil e R$ 2 bilhões originários de um empréstimo autorizado pelo Ministério da Fazenda.

“Vamos analisar cada obra para terminar aquelas em estágio avançado. Só teremos dinheiro para isso devido às operações de crédito. Ou seja, vamos ter que endividar mais o Estado.” 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave