Eduardo Cunha defende votação rápida de ajuste fiscal

Peemedebista explicou, no entanto, que há a necessidade ainda de realizar uma discussão política do tema, para acertar adaptações

iG Minas Gerais | Folhapress |

Eduardo Cunha defende votação rápida de ajuste fiscal
Wendel Lopes / PMDB
Eduardo Cunha defende votação rápida de ajuste fiscal

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), desconversou nesta terça-feira (24) sobre as reclamações da cúpula do PMDB pela falta de peso nas decisões do governo Dilma Rousseff. O peemedebista defendeu ainda que a aprovação do ajuste fiscal enviado pelo Executivo ao Legislativo precisa ser descolada desse ambiente político e votado rapidamente por deputados e senadores.

"Isso [as reclamações] não têm nada a ver com as medidas. É de natureza política. Agora, na minha posição de presidente, não sou eu quem vai tratar. É o [vice-presidente] Michel Temer e os líderes que vão tratar desse processo", afirmou o deputado.

"São medidas que precisam dar sinalização para os mercados, já que as agências de risco estão todas, no próximo mês, para poder manter ou não o grau de investimento no Brasil. Acho que a sinalização é votar, mesmo que tenha de ter algum ajuste, o ideal é que se vote rápido", completou.

Num jantar com a equipe econômica, o comando do PMDB sinalizou que está disposto a ajudar a aprovar o pacote com alteração nas leis trabalhistas e previdenciárias, mas que precisa fazer uma discussão política do tema, para acertar adaptações.

Os peemedebistas aproveitaram a presença do ministro Aloizio Mercadante (Casa Civil) principalmente para reclamar da falta de espaço nas decisões políticas do governo Dilma Rousseff. Com um discurso ensaiado, reclamaram que a legenda só é chamada de última hora para apagar incêndios. As críticas foram disparadas principalmente pelos senadores peemedebistas, que reclamam, nos bastidores, das atenções dispersadas pelo governo a Cunha nos últimos dias. Diante das queixas, Mercadante fez uma espécie de mea culpa e reconheceu que é preciso repensar a coalizão.

Líderes do PMDB passaram a defender que o PT, que também tem críticas ao pacote, precisa assumir a linha de frente da política econômica. "O PMDB não pode trazer para si essa responsabilidade. Foram ajustes que só sacrificaram até agora o trabalhador e qual será a ginástica do governo?", questionou o deputado Danilo Forte (CE).

O líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ), tem um discurso mais cauteloso, mas também afirma que o Planalto precisa convencer aliados porque "arrocho por arrocho" não terá sustentabilidade no Congresso.

Em outra frente, o governo orientou o PT a flexibilizar o uso do termo ajuste fiscal, que não tem aval das centrais sindicais e ganhou o rótulo de redução de direitos trabalhistas. "Não são medidas de ajuste fiscal coisa nenhuma. São medidas que visam reposicionar os benefícios previdenciários dentro de uma lógica moralizadora e mantendo todos os direitos trabalhistas", disse o líder do governo na Câmara, José Guimarães (CE).

De acordo com Cunha, o início dos trabalhos das comissões que vão discutir as propostas deve ficar apenas para a próxima semana. Há uma divergência de qual critério será usado para definir quem deve ficar com a presidência e a relatoria das comissões mistas das medidas provisórias, se pelos blocos partidários, como foi na escolha das comissões permanentes da Câmara, ou pelos partidos de forma isolada.

Leia tudo sobre: ajuste fiscalEduardo Cunha