Opositores iranianos denunciam laboratório nuclear secreto em Teerã

Grupo ainda aponta que sítio "secreto" de enriquecimento de urânio estava escondido em base militar

iG Minas Gerais | AFP |

Um grupo de opositores iranianos no exílio acusou nesta terça-feira (24) o governo de seu país de administrar um sítio "secreto" de enriquecimento de urânio perto de Teerã, o que complicaria a negociação em andamento de um acordo nuclear com o Ocidente.

"Apesar do regime iraniano afirmar que todas as suas atividades de enriquecimento de urânio são transparentes (...) é um fato que está envolvido em pesquisas e desenvolvimentos com centrífugas avançadas em um sítio secreto nuclear chamado Lavizan-3", afirmou Alireza Jafarzadeh, subdiretor do Conselho Nacional de Resistência do Irã (NCRI).

Jafarzadeh completou que o sítio estava escondido em uma base militar nos subúrbios a nordeste de Teerã.

Mostrou aos jornalistas uma série de imagens de satélites do Google Maps, que segundo ele, respaldam a informação obtida "a partir de fontes de alto escalão dentro do regime iraniano assim como aqueles envolvidos em projetos de armamento nuclear".

O sítio Lavizan-3 aparentemente foi construído entre 2004 e 2008, e tem laboratórios subterrâneos conectados por um túnel.

Jafarzadeh afirmou que Teerã esteve envolvida secretamente na pesquisa e enriquecimento de urânio com maquinário avançado neste local desde 2008.

Completou que dividiu sua informação com a administração americana.

A existência do laboratório seria uma "clara violação" do Tratado de não proliferação nuclear, assim como das resoluções da ONU e do acordo interino firmado em novembro de 2013 com as potências mundiais que formam o grupo 5+1, comentou Jafarzadeh.

O grupo 5+1, integrado pela Grã-Bretanha, China, França, Rússia, Estados Unidos e Alemanha, está tentando alcançar um acordo que poderia prevenir que Teerã desenvolva uma bomba nuclear.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave