Reino Unido enviará militares para treinar ucranianos

Para o chefe de governo, o treinamento é uma das forças de tentar amortecer a influência da Rússia sobre os separatistas

iG Minas Gerais | Folhapress |

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou nesta terça-feira (24) que o Reino Unido enviará militares à Ucrânia em março para ajudar a treinar o Exército local, que desde abril enfrenta o conflito contra separatistas pró-Rússia.

A medida é anunciada em meio ao impasse entre as forças governamentais e os rebeldes sobre a retirada de armas do leste do país, uma das medidas que estão no acordo de cessar-fogo que entrou em vigor no último dia 15.

Em discurso no Parlamento, Cameron afirmou que os militares britânicos oferecerão treinamento em logística, atendimento médico, inteligência tática e infantaria. As tropas, porém, não se envolverão em combates.

Para o chefe de governo, o treinamento é uma das forças de tentar amortecer a influência da Rússia sobre os separatistas. "Se nós não fizermos frente à Rússia, em longo prazo eles vão nos prejudicar ainda mais porque teremos mais desestabilização. O próximo alvo vai ser a Moldova ou um dos países bálticos".

Desde o início do conflito na Ucrânia, o Reino Unido e os Estados Unidos forneceram equipamentos não letais às autoridades de Kiev, como forma de auxiliar nos combates contra os separatistas das regiões de Donetsk e Lugansk.

Enquanto isso, a Otan reforçou sua presença em países-membros vizinhos à Rússia, como Polônia, Letônia, Estônia e Lituânia. Em janeiro, a aliança ocidental anunciou o envio de 5.000 soldados às regiões de fronteira com o território russo.

Nesta terça, o secretário de Estado americano, John Kerry, disse que o governo russo mente repetidamente sobre sua ação no leste da Ucrânia. "A Rússia está comprometida no que pode ser o mais aberto e extenso exercício de propaganda que eu vi desde a Guerra Fria", disse.

O líder russo, Vladimir Putin, nega qualquer tipo de envio de armas aos rebeldes, apesar de existirem provas da presença de tropas russas na Ucrânia. Segundo a ONU, o conflito deixou 5.800 mortos em dez meses.

IMPASSE

O impasse para a aplicação do cessar-fogo por completo continuou nesta terça-feira. Os separatistas pró-Rússia disseram ter começado a retirar armas pesadas da linha de frente de combate, em cumprimento ao acordo assinado em Minsk no dia 12.

O vice-chefe militar rebelde, Edouard Basurin, acusou o governo de provocar os rebeldes para não que a trégua não seja respeitada. Por outro lado, as autoridades ucranianas afirmam que os separatistas pretendem reagrupar forças para atuar em outra frente.

Na versão do porta-voz militar, Andrei Lysenko, os combatentes usariam as armas contra as tropas do governo na cidade portuária de Mariupol. Ele afirma que houve 12 ataques dos separatistas às tropas governamentais.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave