Lava Jato não pode comprometer capacidade técnica de empresas

Ele disse estar preocupado quanto aos desdobramentos das investigações a "médio e longo prazos", no corpo técnico e no andamento das obras executadas por essas empresas

iG Minas Gerais | Agência Brasil |

Jaques Wagner visita o Estaleiro e Base Naval (EBN) da Marinha do Brasil em Itaguaí, região metropolitana do Rio, onde são construídos cinco submarinos
Tânia Rêgo/Agência Brasil
Jaques Wagner visita o Estaleiro e Base Naval (EBN) da Marinha do Brasil em Itaguaí, região metropolitana do Rio, onde são construídos cinco submarinos

O ministro da Defesa, Jaques Wagner, defendeu hoje (24) que as investigações da Operação Lava Jato não afetem as empresas brasileiras. Segundo ele, companhias como a Odebrecht, cujos executivos estão sob investigação por envolvimento com o esquema de corrupção, representam uma “inteligência nacional” por concentrar grande capacidade técnica.

Ele disse estar preocupado quanto aos desdobramentos das investigações a "médio e longo prazos", no corpo técnico e no andamento das obras executadas por essas empresas. Acrescentou que é necessário preservar a tecnologia nacional desenvolvida pelas empresas brasileiras. “Quem é que vai construir isso aqui se não for o corpo de engenheiros que ao longo de 30 ou 40 anos acumulou inteligência? Aí vamos ter que chamar americano, alemão, francês ou chinês para construir”, disse o ministro.

Jaques Wagner destacou a necessidade de, ao se investigar os casos de corrupção na Petrobras envolvendo as empreiteiras, não “jogar a criança fora junto com a água suja”. “Vamos jogar só a água suja [quem está envolvido em esquema de corrupção], mas vamos defender a criança, que são as nossas empresas”, acrescentou.

O ministro visitou as obras do estaleiro naval que construirá cinco submarinos para a Marinha, feitas pela Odebrecht. Wagner defendeu que as investigações não podem ser motivo para paralisar o governo.

“O Brasil tem que separar duas coisas: as investigações que correm no Ministério Público, na Justiça e na Polícia Federal e a nossa agenda de governo. Tem medidas contra a corrupção, que serão publicadas. Tem medidas contra a impunidade, que estão sendo preparadas. Nós não vamos parar o país para ficar assistindo o espetáculo da investigação. Esse item tem o seu contexto. Mas não vamos parar de trabalhar, porque o pessoal depende de emprego e de crescimento econômico”, disse o ministro da Defesa.

Em entrevista, o ministro foi perguntado sobre o fato de o presidente da empresa UTC, Ricardo Ribeiro Pessoa, investigado pela Lava Jato, de incluí-lo como testemunha de defesa. “Imagino que ele me chamaria porque as obras ou serviços que a UTC tem na Bahia não apresentam irregularidades, apesar de ser baixa a presença da UTC na Bahia”, disse o ministro.

Jaques Wagner confirmou que recebeu dinheiro da UTC durante suas campanhas de 2006 e 2010 para o governo do estado e durante a campanha de seu sucessor, no ano passado. Mas, segundo ele, os recursos foram informados à Justiça Eleitoral.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave