Zagueiro do Palmeiras relembra apoio de 'São Marcos' após falha

No dia seguinte à derrota, Vitor Hugo foi surpreendido pelo ex-atleta, que o chamou para uma conversa em particular

iG Minas Gerais | Folhapress |

Vitor Hugo já foi fã de atletas que hoje são companheiros de equipe
Palmeiras/Divulgação
Vitor Hugo já foi fã de atletas que hoje são companheiros de equipe

Poucas coisas tiram Vitor Hugo do sério. Sempre de bom-humor, o zagueiro do Palmeiras só costuma perder o sorriso do rosto quando acontecem erros como o que ele cometeu no clássico contra o Corinthians, na terceira rodada do Campeonato Paulista.

Em seu primeiro dérbi com a camisa alviverde, o jogador de 23 anos falhou ao recuar a bola para Fernando Prass. Petros aproveitou o vacilo e tocou para Danilo, que marcou o único gol da partida.

"Lances como aquele me deixam muito puto. E sou um cara verdadeiro. Mentira e fofoca também me tiram um pouco do sério", disse Vitor Hugo em entrevista coletiva nesta terça-feira (24), na Academia de Futebol.

Para se restabelecer do "golpe", o defensor contou com o apoio de um dos maiores ídolos do clube palestrino. "Até o 'São Marcos' veio falar comigo, veio me dar moral", lembrou.

No dia seguinte à derrota, ao chegar no centro de treinamento do Palmeiras, "cabisbaixo", Vitor Hugo foi surpreendido pelo ex-atleta, que o chamou para uma conversa em particular.

"Ele me chamou pelo meu nome. Falei, 'caramba, eu torcendo para o Marcão lá na Copa e agora ele está aqui comigo'. Me deu várias dicas", contou o zagueiro.

O ex-goleiro lhe mostrou um pôster com todas as suas conquistas e afirmou que na lista não havia nenhuma referência às falhas ou às derrotas ocorridas ao longo da carreira.

"Ele quis dizer que falhas acontecem, que todo mundo está sujeito a errar. Mas o que vale para o torcedor é o que a gente faz de bom", acrescentou Vitor Hugo.

Passada a turbulência, o zagueiro comemora a boa fase. Já são três vitórias do Palmeiras sem tomar gols (3 a 0 sobre o Rio Claro, 1 a 0 sobre o São Bento e 2 a 0 sobre o Penapolense). A parceria com o argentino Tobio tem dado certo, apesar da dificuldade do idioma.

"Nossa, o homem fala enrolado demais. Mas o 'sai' dá para entender", disse Vitor Hugo, aos risos. "O time está bem fechado nos jogos. Um volante parece que vai deixar aberto, só que o Gabriel caça demais, isso facilita muito o nosso trabalho. O Robinho recompõe bem", completou, referindo-se ao sistema defensivo palmeirense.

TIETE

Antes de virar jogador profissional, Vitor Hugo trabalhou como sorveteiro, entregador de mercado, funileiro, pedreiro, garçom. "Fazia os bicos que dava para ganhar o nosso", contou.

Em 2009, quando fez teste para o Figueirense, teve seu momento de tiete ao encontrar o volante Arouca -hoje seu companheiro de clube- na porta de um hotel em Florianópolis.

Ao ver a muvuca no local, pensou que fosse briga e correu para ver. Logo descobriu que tratava-se da chegada da delegação de um time de futebol.

"Começou a aparecer o pessoal que a gente só via na TV. Encontrei o Arouca, tirei foto com ele e até publiquei no Orkut. Acho que ele nem lembra disso", relembrou o camisa 31.

"E, agora, estou aqui treinando com ele. Como é que pode? A vida dá voltas".

TREINO

Com a semana cheia para treinar, já que o próximo jogo é apenas no sábado (28), os titulares do Palmeiras fizeram uma atividade leve e jogaram futevôlei na manhã desta terça, na Academia de Futebol.

Enquanto isso, os reservas participaram de um coletivo comandado por Oswaldo de Oliveira. Orientados pelo técnico, Arouca e Cleiton Xavier foram um dos destaques do treinamento.

Após desfalcar o Palmeiras contra o Penapolense, devido a dores musculares, Zé Roberto esteve presente no trabalho de dois toques em campo reduzido e, na sequência, treinou separadamente do restante do elenco.

Às 18h30 do sábado, os palmeirenses recebem o Capivariano na Arena do Palmeiras.

Leia tudo sobre: palmeirasvitor hugosão marcosfalhaclássicozagueiro