Maduro pede a Obama que pare com sanções a funcionários venezuelanos

Presidente venezuelano voltou a acusar os Estados Unidos de apoiar uma conspiração contra o seu governo

iG Minas Gerais | Agência Brasil |

Maduro denuncia 'guerra' contra ele, a mesma sofrida por Allende
Divulgação
Maduro denuncia 'guerra' contra ele, a mesma sofrida por Allende

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, apelou nessa segunda-feira (23) ao presidente norte-americano, Barack Obama, para que acabe com as sanções a funcionários de Caracas. Ele acrescentou que não aceitará "nem mais uma ofensa" de Washington contra os venezuelanos.

"Que cessem as sanções, as ameaças e as agressões contra a Venezuela. Não vou aceitar nem mais uma ofensa do imperialismo norte-americano", disse.

Nicolás Maduro falou durante evento do Partido Socialista Unido da Venezuela, realizado no Estado de Yaracuy, a 280 quilômetros a oeste de Caracas. Ele destacou, em seu discurso, que acabou o tempo do imperialismo.

Maduro reafirmou que a Venezuela quer ter melhores relações com Washington, mas que é "lamentável que o presidente Barack Obama se deixe levar por maus e falsos assessores, que o conduziram a um beco sem saída" nas relações com Caracas.

O presidente venezuelano voltou a acusar os Estados Unidos de apoiar uma conspiração contra o seu governo e pediu "apoio aos presidentes e povos do mundo, para as ações políticas e diplomáticas que a República tenha que tomar para defender a dignidade do país".

"Não vou permitir que o governo dos Estados Unidos e a sua embaixada continuem a chamar militares, a comprar jornalistas, formadores de opinião, dirigentes. Não vou permitir, quero as melhores relações de respeito com o governo dos Estados Unidos", disse.

Segundo Nicolás Maduro, se Barack Obama não retificar com a Venezuela, será "tristemente" lembrado pelos povos da América Latina da mesma maneira que o ex-presidente norte-americano George Bush.

"Ordene o caos que tem na política com a Venezuela, tome as rédeas, imponha critérios de respeito pela República Bolivariana da Venezuela, porque o nosso povo não vai aceitar mais ingerência do seu governo, nem mais abusos da sua embaixada", afirmou.

Em 2 de fevereiro, os Estados Unidos anunciaram novas sanções (suspensão de vistos) contra antigos e atuais funcionários do governo venezuelano, alegando que eles são responsáveis ou cúmplices por violações dos direitos humanos na Venezuela.

Leia tudo sobre: nicolas madurovenezuelaestados unidosbarack obamagoverno