Burocracia entrava castrações

Horário fica ocioso porque 20% dos donos de animais não vão ao procedimento agendado

iG Minas Gerais | bernardo miranda |

Só no papel. 
Legislação sancionada há quatro anos para regular uso de tração animal na capital ainda não passou por regulamentação
FERNANDA CARVALHO / O TEMPO
Só no papel. Legislação sancionada há quatro anos para regular uso de tração animal na capital ainda não passou por regulamentação

Apesar da alta demanda por castração de cães e gatos, a Prefeitura de Belo Horizonte deixa de castrar 27 animais, por dia, devido a dificuldades em reorganizar as vagas em caso de desistência. Em um ano, esse déficit chega a mais de 13.700. Apesar de cerca de 20% das pessoas que marcam o serviço, gratuito, não comparecem no dia do procedimento, a vaga fica ociosa, já que a prefeitura não aceita a realocação de animal no lugar que não tenha passado por agendamento prévio, segundo reclamação de donos de animais que tentaram fazer o serviço e não conseguiram. Empresário do ramo de alimentação de cães e gatos, Felipe Moreira, 29, diz que já procurou o atendimento no Centro de Controle de Zoonoses para fazer a castração, e, mesmo com vaga ociosa, não recebeu o serviço. “Não faz sentido haver veterinários com horário disponível e material de saúde para fazer o procedimento e ele não ser realizado por uma burocracia. A prefeitura pode procurar uma forma de fazer esse atendimento em caso de desistência, por ordem de chegada, por exemplo. É dinheiro público que está sendo investido, por isso é preciso ter eficiência”, afirma Moreira, que é atuante na defesa dos direitos dos animais de rua.

Ele pondera que as pessoas que fazem a marcação e não comparecem também têm que ser responsabilizadas e ressalta que, apesar dos problemas, Belo Horizonte é a única prefeitura na região metropolitana que oferece o serviço da castração gratuitamente. Resposta. A Gerência de Controle de Zoonoses (GCZ) informou que oferece diariamente 138 vagas para castração em três locais diferentes, e que o índice de não comparecimento é de 20%. No entanto, o empresário Moreira afirma que em alguns dias em que foi ao centro, mais de 50% das castrações marcadas não foram realizadas. A GCZ afirma que desde de julho de 2014, busca reduzir o índice de desistência, ligando para as pessoas que fizeram a marcação com um ou dois dias de antecedência. Ainda segundo a gerência, as vagas de desistência são disponibilizadas para quem solicita a antecipação da cirurgia ou para protetores de animais cadastrados. O órgão também frisou que o animal precisa passar por preparação antes da cirurgia. “Como todo procedimento cirúrgico eletivo, o paciente deve ser devidamente preparado com 12 horas de antecedência, incluindo jejum hídrico e alimentar, indispensáveis. Por este motivo seria um ato de maus-tratos submeter os animais a esse estresse sem a certeza do atendimento”, informou o órgão, em nota.

Serviço Onde. Além do centro de controle do bairro São Bernardo, a castração gratuita é feita nos centros de esterilização do Salgado Filho, na região Oeste, e do Caiçara, na Noroeste.

Expansão Barreiro. A Prefeitura de Belo Horizonte informou que vai criar mais 1.200 vagas de castração por mês ainda neste semestre. Está prevista a inauguração do Centro de Esterilização de Cães e Gatos do Barreiro, que irá contemplar a quarta regional da cidade a contar com o serviço. Itinerante. A castração é feita de segunda-feira a sexta-feira, mas neste trimestre estão previstos o início do atendimento aos sábados e o incremento da atuação da Unidade Móvel de Esterilização, que percorrerá todas as regionais para facilitar o acesso gratuito ao procedimento.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave