Juventus quer confirmar hegemonia italiana a nível europeu

Equipe não tem tido adversários à altura na Itália e busca estender a boa campanha na Liga

iG Minas Gerais | AFP |

Equipe encerrou a preparação para encarar o Borussia, nesta terça-feira
DIVULGAÇÃO/JUVENTUS
Equipe encerrou a preparação para encarar o Borussia, nesta terça-feira

Implacável no 'Calcio', a Juventus recebe o Borussia Dortmund para estender seu domínio além das fronteiras da Itália, nesta terça-feira, pelas oitavas de final da Liga dos Campeões.

O clube alemão também viaja a Turim com ambições renovadas, embalado com uma série de três vitórias seguidas que o tiraram da zona de rebaixamento e com o sonho de repetir a final de 1997, quando derrotou a 'Velha Senhora' por 3 a 1 e conquistou seu primeiro e único título europeu.

A atual tricampeã italiana não tem rivais à altura no seu país, e deu mais um passo rumo ao tetra no último fim de semana, ao abrir nove pontos de vantagem sobre a vice-líder Roma. Fez o dever de casa ao derrotar o Atalanta por 2 a 1 na sexta-feira, e foi beneficiada por mais um tropeço do time da capital, que empatou em 1 a 1 no com o Verona no domingo.

Na Champions, porém, a Juve não foi tão bem. Sofreu mais do que o esperado para se classificar em segundo lugar de um grupo em teoria bastante fácil, com Atlético de Madri, Olympiakos e Malmoe.

A principal arma dos 'bianconeri' é a força mostrada diante da sua torcida. Desde que inaugurou o Juventus Stadium, inaugurado em 2011, o time de Turim perdeu apenas uma das 15 partidas que disputou em casa em competições internacionais.

No total, está invicto há 46 jogos como mandante, desde que perdeu por 2 a 0 para o Bayern de Munique, no dia 10 de abril de 2013.

O talento de Pogba

O técnico Massimo Allegri conseguiu manter o nível do predecessor, Antonio Conte, que assumiu o comando da seleção italiana depois do tri, apesar de mudar totalmente o esquema de jogo.

Passou a atuar em 4-3-1-2, deixando de lado a linha de três zagueiros de Conte. Além do novo esquema tático de Allegri, a transformação do jogo da Juve se deve muito às grandes atuações do jovem francês Paul Pogba, que está voando baixo desde o início de 2015.

"Pogba é extraordinário e continua crescendo. Não estamos descobrindo todas as qualidades agora. Ele é destinado a crescer ainda mais e se tornar o melhor jogador do mundo", elogiou o treinador, que aposta na solidez defensiva para levar vantagem no confronto.

"O nosso objetivo é conseguir a classificação, e para isso, é fundamental não sofrer gols, e não será fácil, contra uma equipe que tem mostrado bastante poder ofensivo", afirmou Allegri.

Para balançar as redes italianas, o Borussia aposta na grande fase da sua dupla de ataque, formada por Marco Reus e pelo gabonês Pierre Emerick Aubameyang, que anotaram sete dos últimos dez gols da equipe.

Depois de um primeiro turno desastroso, no qual chegou a amargar a lanterna, em janeiro, o atual vice-campeão alemão subiu para a 12ª posição, com quatro pontos de vantagem sobre o Freiburg, primeiro time da zona de rebaixamento. A revanche de Aubameyang

Reus, que ficou fora da Copa do Mundo ao se machucar no último amistoso antes da viagem da seleção alemã para o Brasil, está finalmente começando a se livrar das lesões que infernizaram sua vida em 2014, assim como vários outros jogadores do clube.

"Quando me sinto livre, como é o caso no Borussia, sei que posso dar o meu melhor", afirmou o meia de 25 anos, que renovou seu contrato até 2019.

Já Aubameyang deixou claro nesta segunda-feira que pretende aproveitar o confronto com a Juve para buscar sua "revanche" contra o futebol italiano, onde não se firmou quando jogou no Milan, no início da carreira.

"Quero mostrar ao Milan o que sei fazer, e sei que amanhã (terça-feira) é o dia perfeito para fazer isso", afirmou o atacante, que deixou para trás a frustração da eliminação na primeira fase da Copa Africana de Nações com a seleção do Gabão.

"Meu irmão Willy, que também passou pelas categorias de base do Milan, já fez gol contra a Juve, em amistoso. Ele me disse que se não marcasse também, significa que é melhor do que eu", brincou o gabonês.

Na fase de grupos da edição atual, o clube alemão fez uma campanha brilhante, terminando em primeiro lugar do seu grupo, deixando para trás o Arsenal, o Anderlecht e o Galatasaray.

"Eles jogam num ritmo bastante cadenciado, o que pode ser bom para nós, já que o nosso ritmo é mais elevado. Teremos que aproveitar todas as oportunidades. Eles têm um jogo muito tático, mas a nossa tática será simplesmente ver o que acontece no decorrer da partida. Vocês vão ver o nosso plano de jogo amanhã", despistou o técnico Jurgen Klopp.

Além da vitória na final de 1997, o Borussia também pode se apoiar no resultado da última partida que disputou em Turim, quando venceu por 2 a 1, com um gol de Michel Zorc, atual diretor de futebol do clube.

- Prováveis escalações: Juventus: Buffon (cap.) - Lichtsteiner, Bonucci, Chiellini, Evra - Marchisio, Pirlo, Pogba - Vidal - Tevez, Morata (o Llorente). DT: Massimiliano Allegri Borussia Dortmund: Weidenfeller - Piszczek, Subotic, Hummels, Schmelzer- Gündogan, Sahin - Kagawa, Kampl, Reus - Aubameyang. DT: Jürgen Klopp Árbitro: Mateu Lahoz (ESP)

Leia tudo sobre: JuventusborussiaLiga dos Campeões