Governo pode contar com o PMDB, diz Temer

No protesto, os sindicalistas seguravam bandeiras e pediam a revogação das MPs

iG Minas Gerais |

Cúpula do PMDB se reuniu com equipe econômica nesta segunda à noite
ANDRE DUSEK
Cúpula do PMDB se reuniu com equipe econômica nesta segunda à noite

Brasília. O vice-presidente da República, Michel Temer, afirmou nesta segunda que o governo pode contar com o PMDB para ajudar na aprovação das medidas provisórias do ajuste fiscal. “Seguramente, o diálogo já está aberto. Agora, qual será o resultado, nós vamos ver adiante”. À noite, Temer promoveu um jantar com o ministro Joaquim Levy (Fazenda) e a cúpula do PMDB, no qual Levy apresentou argumentos para que o partido apoie as Medidas Provisórias (MPs) editadas por Dilma Rousseff para equilibrar as contas do governo.

Durante o encontro, um grupo de 20 sindicalistas da Força Sindical fez um protesto contra as duas MPs do ajuste em frente ao Palácio do Jaburu, residência oficial da vice-presidência da República. Além de Levy, participaram do encontro com líderes do PMDB no Congresso, o ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Nelson Barbosa, e o presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini. O chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, também participaria do encontro.

No protesto, os sindicalistas seguravam bandeiras e pediam a revogação das MPs. “Nesta Santa Ceia, não pode haver nenhum Judas”, disse o sindicalista Carlos Cavalcante de Lacerda, da Força Sindical.

O Palácio do Planalto já sinalizou que está disposto a fazer concessões ao PMDB para aprovar o ajuste fiscal. O governo indicou que pretende contemplar seu principal aliado com nomeações nos cargos de segundo escalão e conferir mais peso à sigla nas decisões do governo.

Também nesta segunda, o ministro Pepe Vargas se reuniu com Eduardo Cunha e o líder do governo, José Guimarães (PT-CE), “A reunião foi para dar continuidade no diálogo que iniciei desde a eleição dele. Discutimos o rito das duas medidas provisórias. Vamos discutir o melhor caminho para a composição das comissões dessas matérias”, afirmou Guimarães.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave