Com grande número de jovens em quadra, Minas vence AABB-Brasília-DF

Jogadoras que apenas iniciam a carreira aproveitam a oportunidade de atuar em torneio de nível nacional

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

As donas da casa levaram a melhor por 3 a 1 (25/19, 26/28, 25/17 e 25/23) e chegaram a sua segunda vitória no torneio
ORLANDO BENTO / DIVULGACAO
As donas da casa levaram a melhor por 3 a 1 (25/19, 26/28, 25/17 e 25/23) e chegaram a sua segunda vitória no torneio

No duelo entre as equipes que ocupam as últimas posições na tabela de classificação da Superliga B, um jogo equilibrado, mas sem grandes jogadas para os poucos torcedores que compareceram.

Minas Náutico e AABB Brasília-DF jogaram na Arena Minas e tinham como objetivo vencer para se afastar da parte de baixo. Sob os olhares do time adulto do Camponesa-Minas, que treinaria na sequência, as donas da casa levaram a melhor por 3 a 1 (25/19, 26/28, 25/17 e 25/23) e chegaram a sua segunda vitória no torneio em quatro jogos disputados, assumindo a quinta posição entre as oito participantes. “Já esperávamos um jogo equilibrado, viemos preparados para isso. Começamos bem, mas tivemos uma queda no segundo set. Menos mal que revertemos a situação e chegamos à vitória”, comenta o técnico do Minas Marcello Bencardino.

Com equipes muito jovens, com a maioria das atletas tendo entre 18 e 20 anos, era compreensível um jogo de erros e contra-ataques. Quem está acostumado a ver a elite do vôlei brasileiro certamente sentiria a diferença de nível técnico e intensidade.

Mas tudo tem seu tempo e as atletas sabem que etapas precisam ser cumpridas para alcançar um nível mais alto. O mais importante é aproveitar as oportunidades e tentar evoluir a cada jogo.

Mesmo com muito futuro pela frente, algumas já demonstram talento. É o caso da oposta Thaesha, do time brasiliense. Canhota e com boa impulsão, ela mostrou qualidade e pode ser uma das revelações do vôlei nacional nos próximos anos. Situações pouco comuns também aparecem, exemplo da central Mare, da equipe candanga, de 1,90m e 98kg.

O Minas, conhecido por ser um formador de atletas, não perde a chance de dar rodagem para algumas de suas atletas. Algumas delas apenas começam a carreira e agradecem por jogar um torneio de nível nacional com apenas 16 anos, como é o caso da levantadora Rafa. “É preciso ter paciência em muitos momentos, sabemos que elas são muito novas ainda. Em outras, temos que entrar com algum nível de cobrança, até para que elas possam evoluir”, resume Marcello.

 

Leia tudo sobre: minasAABB-brasília-DFsuperliga bvolei