Argentina considera injustas críticas de Mujica sobre o Mercosul

O chefe de ministros lembrou que "a Argentina, desde o acordo com (o ex-presidente brasileiro José) Sarney, de 1986, é um país fundador destas estratégias" de integração

iG Minas Gerais | AFP |

País está suspenso do bloco desde o impeachment do então presidente, Fernando Lugo
Wilson Dias/ABr
País está suspenso do bloco desde o impeachment do então presidente, Fernando Lugo

O chefe de gabinete da Argentina, Jorge Capitanich, considerou nesta segunda-feira "injustas" as declarações do presidente uruguaio, José Mujica, que afirmou que Buenos Aires não acompanha nada da integração regional do Mercosul.

"A Argentina deve e merece ter o reconhecimento de seus pares e deve tê-lo do Uruguai, porque grande parte do seu comércio exterior tem muito a ver com a capacidade e o desenvolvimento que se exerce da Argentina", respondeu Capitanich, durante coletiva de imprensa na Casa do Governo.

O funcionário foi consultado sobre as declarações de Mujica, em entrevista ao jornal Perfil, publicada no domingo.

"A Argentina teria que acompanhar (a integração) e não acompanhada porra nenhuma, ao contrario. É como se a Argentina tivesse retrocedido para uma visão dos [anos] 1960", afirmou Mujica, em relação ao Mercosul, bloco regional integrado por Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela.

O chefe de ministros lembrou que "a Argentina, desde o acordo com (o ex-presidente brasileiro José) Sarney, de 1986, é um país fundador destas estratégias" de integração.

A esse respeito, afirmou que por isso "o papel foi superlativo na construção da grande pátria latino-americana" e estimou que "seria injusto não se reconhecer o papel da Argentina com (o ex-presidente) Néstor (Kirchner) e Cristina Kirchner".

As relações econômicas dentro do Mercosul, em particular entre o Uruguai e a Argentina, passa por momentos de desacordos e dificuldades.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave