Empate entre URT e Villa Nova é marcado por acusação de racismo

Júnior Paraíba teria sido chamado de 'macaco' pelo árbitro do duelo, mas desistiu de registrar boletim de ocorrência

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O Villa Nova perdeu a chance de continuar no G-4 do Mineiro. Na tarde deste domingo, no Estádio Zama Maciel, o Leão do Bonfim tentou, mas não conseguiu sair de um empate sem gols com a URT. A partida ainda ficou marcada por uma acusação de racismo cometida pelo próprio árbitro da partida. 

Foram os anfitriões que começaram pressionando. Em buscava a segunda vitória no campeonato, o Trovão era comandado pelo o experiente Júnior Paraíba, que alimentava o ataque do time de Vilson Taddei.

Fora de campo, Paraíba também protagonizou uma discussão com o árbitro Ronei Cândido Alves. Na volta do intervalo, o jogador acusou o juiz de tê-lo agredido com ofensas racistas. O juiz teria chamado o jogador de "Macaco". 

Após a partida, o tenente Taffuri, responsável pela condução no caso de racismo no Zama Maciel, confirmou à Rádio Super Patos que o jogador desistiu de registrar o boletim de ocorrência nos vestiários. "Em conversa com o árbitro, ele disse que não gostou, mas não quis registrar a ocorrência. Foi orientado pela PM que fizesse o registro, mas não quis. Apenas manifestou sua indignação. As testemunhas também não foram veementes em dizer o ocorrido", disse. 

Mamoré. O técnico Alexandre Barroso foi demitido neste domingo, e será substituído por Márcio Pereira.