Chocolate antirrugas promete rejuvenescer a pele

Produto tem apenas 28 calorias e pode deixar a aparência da pessoa até 20 anos mais jovem

iG Minas Gerais | Da Redação |

Especialista alerta para necessidade de mais testes no produto
esthechoc/divulgação
Especialista alerta para necessidade de mais testes no produto

Pesquisadores da Universidade de Cambridge estão desenvolvendo um chocolate que vai retardar o aparecimento de rugas e flacidez na pele. Chamado de Esthechoc, o produto promete deixar uma pessoa de 50 anos com aparência 20 anos mais jovem.

Em 7,5 gramas do produto há a mesma quantidade de astaxantina antioxidante que um filé de salmão do Alasca e a mesma quantidade de níveis de polifenóis do cacau (que combatem os efeitos dos radicais).

Todos esses benefícios estariam reunidos em apenas 28 calorias, o mesmo que uma maçã. Testes mostraram que, depois de quatro semanas de consumo diário, voluntários tiveram menos evidências de inflamação no sangue e aumento de circulação para os tecidos da pele.

O criador do produto, Ivan Petyaev, ex-pesquisador da Universidade de Cambridge e fundador da Lycotec, empresa de biotecnologia, disse que o produto contém os mesmos antioxidantes “que fazem os peixes dourados e os flamingos cor-de-rosa”. “Nos testes clínicos, vimos a inflamação da pele diminuir à medida que os tecidos começavam a se beneficiar. Usamos pessoas de 50 e 60 anos e, em termos de biomarcadores da pele, o resultado foi o da pele de 20 ou 30 anos”, afirmou Petyaev em entrevista ao jornal britânico “Telegraph”.

O Esthechoc estará disponível, por enquanto, apenas no Reino Unido, e será vendido em caixas para três semanas de chocolate, a partir do próximo mês. Para os que se empolgaram com a novidade, o jornal inglês consultou alguns especialistas que foram cautelosos sobre o produto.

Naveed Sattar, professor de medicina metabólica na Universidade de Glasgow, disse que são necessários testes clínicos mais robustos para validar as alegações. “Não há só benefícios no produto. Esse alimento precisa ser testado para ter algum crédito genuíno”, defendeu.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave