Anac vai investigar uso de drones e paraquedistas no Sambódromo

Anac vai investigar uso de drones e pouso de paraquedistas no Sambódromo

iG Minas Gerais | Agência Brasil |

Águia da Portela voando com auxílio de um veículo aéreo não tripulado (vant) no segundo dia de desfile das escolas de samba do Grupo Especial
Tânia Rêgo/Agência Brasil
Águia da Portela voando com auxílio de um veículo aéreo não tripulado (vant) no segundo dia de desfile das escolas de samba do Grupo Especial

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) abriu dois processos administrativos para investigar o uso não autorizado de veículos aéreos não tripulados (vants) e o pouso de paraquedistas durante o desfile da escola de samba Portela, no Sambódromo, na noite de segunda-feira (16). O vant (também conhecido como drone), no formato de uma grande águia, voou à frente da escola durante o desfile.

Segundo a Anac, outros 400 pequenos vants foram operados pela Portela, no Sambódromo. A agência informa que a operação desses equipamentos em áreas densamente povoadas e sem o certificado de autorização de voo experimental é proibida.

Antes do desfile a Portela chegou a pedir informações à Anac sobre a operação dos vants, mas não teve a autorização para utilizá-los, de acordo com a agência. Os responsáveis pela operação dos equipamentos estão sujeitos a ações civis e penais, de acordo com o Código Brasileiro de Aeronáutica.

Outro procedimento administrativo apurará o lançamento de paraquedistas durante o desfile. O objetivo é saber se os envolvidos têm as habilitações requeridas. A assessoria de imprensa da Portela foi procurada pela Agência Brasil, mas até o momento de publicação da matéria não se manifestou sobre o assunto.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave