Bolsonaro: Rosário faz ‘birra’

Deputado apresenta defesa prévia no processo em que é acusado de calúnia e incitação ao estupro

iG Minas Gerais |

Jair Bolsonaro diz que as desavenças com a colega poderiam ser resolvidas no Congresso
luis Macedo / Camara dos Deputados - 09.12.2014
Jair Bolsonaro diz que as desavenças com a colega poderiam ser resolvidas no Congresso

Brasília. O deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) apresentou defesa prévia em dois processos no Supremo Tribunal Federal (STF) e negou ter cometido os crimes de injúria, calúnia e incitação ao estupro. As acusações são fruto de um desentendimento com a também deputada Maria do Rosário (PT-RS), ex-ministra dos Direitos Humanos. Segundo o parlamentar fluminense, a colega o acionou na Justiça por “birra”, uma vez que, na visão dele, a desavença poderia ter sido resolvida em uma conversa no próprio Congresso Nacional. Bolsonaro destacou em sua defesa que a deputada do PT não tentou notificá-lo de forma extrajudicial, para pedir, por exemplo, uma retratação. Para ele, a queixa tem “cunho político”. “A querelante , por birra, em virtude das posições políticas contrárias do querelado, traz ao Poder Judiciário problema que poderia ser resolvido na esfera do próprio Poder Legislativo”, diz a defesa de Bolsonaro. Em dezembro do ano passado, durante discurso no plenário da Câmara, Bolsonaro voltou a dizer que não estupraria a deputada porque “ela não merece”. Depois, em entrevista ao jornal “Zero Hora”, reiterou a declaração: “Ela não merece porque ela é muito ruim, porque ela é muito feia. Não faz meu gênero. Jamais a estupraria.” Por conta das declarações do colega de Legislativo, a deputada gaúcha protocolou uma queixa-crime no Supremo, pedindo que Bolsonaro responda por injúria e calúnia. Além disso, a vice-procuradora geral da República, Ela Wiecko, denunciou Bolsonaro pelo crime de incitação ao estupro.

Nesta terça, Bolsonaro enviou ao Supremo defesa prévia nos dois casos, assinadas pela advogada Lygia Regina de Oliveira Martan. Nas duas ações, a defesa do deputado do PP explicou o contexto da declaração. Disse que tudo começou em 2003, quando Bolsonaro concedia entrevista na Câmara sobre redução da maioridade penal e, segundo a defesa, Rosário tentou interromper seu cliente dizendo que ele incentivava os crimes. Na ocasião, Bolsonaro afirmou pela primeira vez que não estupraria a deputada petista porque “ela não merecia”. Ainda de acordo com a versão da defesa de Bolsonaro, no ano passado, ele estava inscrito para falar no plenário da Câmara sobre as Forças Armadas, mas Maria do Rosário passou na frente para criticar a ditadura militar. Ele, então, provocou: “Fica aí, Maria do Rosário, fica. Há poucos dias, tu me chamou de estuprador, no Salão Verde, e eu falei que não ia estuprar você porque você não merece. Fica aqui pra ouvir”, enfatizou. Conforme o deputado, ele não pode ser punido porque falou na condição de parlamentar, e a Constituição lhe dá imunidade em relação a suas opiniões. “A liberdade de opiniões dos parlamentares, por sua condição de representantes de segmentos do povo tem que ser garantida pelo Poder Judiciário, sob pena de se inibir aqueles que têm pensamentos diferentes de quem lhes vai julgar”, ressaltou Bolsonaro na defesa prévia.

Quem é Conservador. O deputado Jair Bolsonaro ficou conhecido por criticar duramente projetos que tratavam de direitos dos gays, descriminalização do aborto e do uso da maconha, dentre outros.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave