'Ganso foi infeliz ao me citar como exemplo', diz Serginho Chulapa

O meia do São Paulo fez duras declarações contra a arbitragem do clássico com o Corinthians, nessa quarta-feira

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Ganso disse que o clássico deveria ter sido apitado por um árbitro estrangeiro e afirmou que o árbitro deveria sair do Itaquerão de camburão
Rubens Chiri/saopaulofc.net
Ganso disse que o clássico deveria ter sido apitado por um árbitro estrangeiro e afirmou que o árbitro deveria sair do Itaquerão de camburão

 "Se fosse o Serginho Chulapa, ia no vestiário bater nele [no árbitro]". Assim, o meia Paulo Henrique Ganso desabafou ao reclamar da arbitragem de Ricardo Marques Ribeiro no clássico contra o Corinthians, na noite de quarta-feira (18), no Itaquerão, pela Libertadores.

O jogador do São Paulo queixou-se especialmente da falta do atacante Emerson no lateral direito Bruno, em lance que originou o segundo gol da vitória corintiana por 2 a 0.

Ganso disse que o clássico deveria ter sido apitado por um árbitro estrangeiro e que Ribeiro deveria sair do Itaquerão de camburão. "Aquilo não foi erro, foi roubo", acrescentou.

Serginho Chulapa se queixou da declaração do meio-campista infeliz.

"Ele foi mal nessa. Foi infeliz. Ele quis justificar o fracasso diante do Corinthians culpando a arbitragem e acabou até me citando. Eu não gostei. Acabou me usando como exemplo para uma situação negativa", disse Chulapa.

Um fato marcante na carreira de Chulapa foi uma punição que ele recebeu em 1978, quando defendia o São Paulo e foi suspenso por 12 meses por supostamente ter dado um chute no árbitro assistente Valdevaldo Rangel, durante um jogo contra o Botafogo-SP pelo Brasileiro de 1977.

A punição fez Chulapa perder a chance de disputar a Copa do Mundo de 1978, na Argentina. O ex-atacante também teve outros episódios polêmicos, como a briga com o zagueiro Mauro, do Corinthians, em 1983, quando os dois trocaram socos no gramado do Morumbi, pelo Paulista. "Eu sempre fui esquentado dentro de campo, todos sabem da minha história. Mas fora de campo, depois que o jogo já estava encerrado, eu não extrapolava", acrescentou.

Sobre Ganso, Chulapa ainda deu alguns conselhos. "Ele é muito talentoso, foi um menino que eu pude participar do início da carreira dele [no Santos, em 2009, quando era comissão técnica], mas ele não pode falar essas coisas. Ele acaba se prejudicando, manchando a imagem dele. Além de correr risco de sofrer uma punição", disse.

Leia tudo sobre: gansosao paulofutebolcorinthianslibertadoresricardo marques