Ex-primeira-ministra da Tailândia é formalmente acusada de negligência

Yingluck Shinawatra é acusada de fomentar a corrupção no programa de subvenção do arroz durante seu governo, causando danos aos agricultores

iG Minas Gerais | AFP |

Ousted Thai prime minister Yingluck Shinawatra looks on as she faces impeachment proceedings by the military-stacked National Legislative Assembly (NLA) at the parliament in Bangkok on January 22, 2015. Shinawatra arrived at Thailand's junta-picked legislature on January 22 to make a last ditch defence ahead of an impeachment vote that could see her banned from politics for five years. AFP PHOTO / PORNCHAI KITTIWONGSAKUL
AFP PHOTO / PORNCHAI KITTIWONGSAKUL
Ousted Thai prime minister Yingluck Shinawatra looks on as she faces impeachment proceedings by the military-stacked National Legislative Assembly (NLA) at the parliament in Bangkok on January 22, 2015. Shinawatra arrived at Thailand's junta-picked legislature on January 22 to make a last ditch defence ahead of an impeachment vote that could see her banned from politics for five years. AFP PHOTO / PORNCHAI KITTIWONGSAKUL

A ex-primeira-ministra tailandesa Yingluck Shinawatra foi formalmente acusada de negligência, nesta quinta-feira (19), no âmbito do caso do programa de subvenção do arroz, implementado durante o seu mandato. Ela pode ser condenada a até dez anos de prisão.

“Hoje imputamos a ex-primeira-ministra Yingluck Shinawatra por ter falhado com o seu dever” no que diz respeito ao programa de ajuda aos produtores de arroz, declarou Chutichai Sakhakorn, do gabinete do procurador-geral, durante entrevista.

O Supremo Tribunal Tailandês vai decidir, em 19 de março, se aceita ou não continuar o caso.

A ex-chefe do governo tailandês declarou-se inocente das acusações relacionadas com o plano de subvenções, que consistia na compra de arroz aos agricultores a preços acima dos praticados no mercado.

Segundo as autoridades tailandesas, o plano resultou em prejuízos de 518 milhões de baht (cerca de 14 milhões de euros), fomentou a corrupção e causou danos aos agricultores devido ao atraso nos pagamentos.

O presidente da Comissão Nacional Anticorrupção, Panthep Klanarongran, sugeriu esta semana ao Ministério da Economia que interponha uma ação contra Yingluck e que lhe exija o valor equivalente às perdas causadas pelo plano de ajuda.

Yingluck Shinawatra, que dirigiu o governo tailandês até ser destituída pelo Tribunal Constitucional no início de maio do ano passado, chegou a ser detida depois do golpe militar de 2014.

Irmã do antigo chefe do governo Thaksin Shinawatra, deposto em 2006 por um golpe de Estado, Yingluck Shinawatra foi a primeira mulher a ocupar o cargo de primeira-ministra na Tailândia.

A junta militar é acusada de querer eliminar a influência do clã Shinawatra e, segundo analistas, a interdição da vida política de Yingluck, aprovada recentemente pelo Parlamento, fará parte do processo.

A Tailândia, profundamente dividida entre apoiadores e adversários dos Shinawatra, vive uma crise política recorrente desde o golpe militar de 2006, que derrubou Thaksin, que está no exílio.

Thaksin e os seus aliados ganharam todas as eleições desde 2001.

Os militares tailandeses protagonizaram 19 tentativas golpistas, das quais 12 consumadas, desde a queda da monarquia absoluta em 1932.

Leia tudo sobre: tailândiaprimeira-ministracondenadanegligência