STF autoriza João Paulo Cunha a cumprir pena em casa

Ex-presidente da Câmara comprovou ter devolvido aos cofres públicos R$ 536 mil, referentes aos prejuízos causados ao erário

iG Minas Gerais | Folhapress |

Visando prisão domiciliar, João Paulo Cunha devolve dinheiro do mensalão
RENATO SILVESTRE/estadão conteúdo - 31.8.2012
Visando prisão domiciliar, João Paulo Cunha devolve dinheiro do mensalão

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso autorizou nesta quarta-feira (18) o ex-presidente da Câmara João Paulo Cunha, condenado no escândalo do Mensalão, a cumprir o restante da pena em casa.

A decisão de Barroso, relator do processo de execução de penas do processo, ocorreu depois que Cunha comprovou ter devolvido aos cofres públicos R$ 536 mil, referentes aos prejuízos causados ao erário.

O ex-deputado do PT foi condenado a 6 anos e 4 meses de prisão por peculato (desvio de dinheiro) e corrupção. Ele estava cumprindo a pena em regime semiaberto, ou seja, saída da carceragem para trabalhar durante o dia, mas tinha que passar a noite na cadeia.

Agora, o despacho de Barroso será enviado à Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, de onde partirá a determinação para que Cunha seja libertado.

Ele é o último petista a conseguir a progressão do regime. Antes, foram beneficiados o ex-ministro José Dirceu, o ex-tesoureiro Delúbio Soares e o também ex-deputado José Genoino.

Todos já cumpriram ao menos um sexto do período de reclusão imposto pela Justiça. No caso de João Paulo Cunha, Barroso condicionou a concessão do benefício da prisão domiciliar ao pagamentos dos R$ 536 mil que ele devia à União.

Na semana passada, após a defesa de Cunha ter apresentado o comprovante de depósito, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deu parecer favorável à libertação do ex-presidente da Câmara.

Leia tudo sobre: MensalãoJoão Paulo CunhaSTF