Promotor pede absolvição de Strauss-Kahn em caso de favores sexuais

Na véspera, dois advogados de autores da ação judicial contra Strauss-Kahn anunciaram que vão retirar suas queixas

iG Minas Gerais | AFP |

Associated Press
undefined

O promotor pediu nesta terça-feira a absolvição pura e simples do ex-diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, julgado em Lille (norte da França) por um caso de proxenetismo junto a outras 13 pessoas.

"Nem a informação judicial, nem a audiência permitiram estabelecer a infração de proxenetismo agravado para Strauss-Kahn", declarou o promotor Frédéric Fèvre, ao concluir sua alegação final.

Na véspera, dois advogados de autores da ação judicial contra  Strauss-Kahn anunciaram que vão retirar suas queixas de delitos sexuais contra o denunciado.

"As Equipes da Ação contra o Proxenetismo retiram sua acusação contra Dominique Strauss-Kahn", declarou ante o tribunal de Lille (norte da França) o advogado da associação, David Lepidi.

Gilles Maton, o advogado que defende as quatro prostitutas envolvidas no caso, duas das quais também processavam DSK, também anunciou que elas vão abandonar as acusações contra o ex-diretor do Fundo Monetário Internacional.

Strauss-Kahn, de 65 anos, se apresenta desde 2 de fevereiro a um tribunal de Lille junto com outros 13 acusados de proxenetismo com agravantes, um crime passível de ser punido com 10 anos de prisão.

DSK é acusado de ser o principal beneficiário e incentivador de festas libertinas na França e em Washington.

O político que foi durante muito tempo o favorito das pesquisas de opinião para as eleições presidenciais francesas de 2012, manteve durante todo o processo a mesma linha de defesa, de que é adepto de festas libertinas, mas não de prostitutas, e que ignorava que a condição das mulheres que participavam destas festas.

Perante o tribunal, ele declarou inocência e disse não ter cometido "nem crime, nem delito".

Leia tudo sobre: Strauss-Kahnfmi