Após primeira etapa, brasileiro do Red Bull Air Race busca evolução

Gaúcho Francis Barros realiza sonho de criança e quer aprendizado constante na divisão de acesso

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Francis sabe das dificuldades que irá enfrentar, principalmente nas primeiras provas
Predrag Vuckovic/Red Bull Content Pool
Francis sabe das dificuldades que irá enfrentar, principalmente nas primeiras provas

Na primeira etapa do Red Bull Air Race, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, o único brasileiro na disputa, o gaúcho Francis Barros, não foi bem. Depois de ficar em último no primeiro dia de provas, no dia seguinte ele acabou sendo desclassificado.

Mas tudo tem sua hora e ele se mostra paciente para evoluir na Challenge Cup, competição de acesso do Mundial de manobras aéreas. As duas competições acontecem nos mesmos dias e locais. Para chegar a um outro patamar, Francis depende dos seus resultados e de outras coisas como técnica de voo seguro, disciplina nos procedimentos, exames médicos e psicológicos. O número de quem se classifica depende, ainda, de fatores como disponibilidade de vagas e patrocínio. "Estou entre alguns dos melhores pilotos do mundo, ou seja o nível é excelente, muito alto mesmo. Minhas chances nas primeiras corridas são baixas, mas tenho me focado em aprender muito o mais rápido possível. Tenho certeza de que, se depender de mim, tentarei me tornar competitivo o mais rápido possível", garante o piloto de 37 anos, que chega a voar a mais de 400km/h.

Além de Barros, participam, ainda, da competição, outros dois brasucas. Paulo Iscold auxilia o campeão Paul Bonhome na categoria principal como engenheiro aerodinâmico. Pablo Branco é outro representante verde-amarelo, que atua como coordenador técnico do piloto Mike Goulian.

"O Brasil não é feito de um esporte apenas. Temos grandes esportistas em várias áreas e somos um povo abençoado. Muitos brasileiros são apaixonados por aviões, e não podemos esquecer que somos o país do pai da aviação, o querido Santos Dumont", lembra o gaúcho.

Cresceu no meio. Francis realiza hoje um sonho. Ele cresceu no meio de aviões e hoje disputa a competição uma competição no esporte motorizado mais rápido do mundo.

"Desde quando vi, ainda criança, um avião voar de cabeça para baixo, me apaixonei pela aviação. É uma profissão apaixonante, que exige muita dedicação e abnegação. Comecei a pilotar com 14 anos no aeroclube do Rio Grande do Sul, ainda sem idade para voar sozinho, mas sempre acompanhado pelo meu instrutor. Tive muita sorte de ter próximo a minha casa uma instituição que me ajudou desde cedo a evoluir na minha carreira. Limpava aviões para em troca receber aulas de pilotagem, era muito bacana", lembra.

Em 2007, Francis era uma das mais de um milhão de pessoas que viu uma etapa do Red Bull Air Race, no Rio de Janeiro. "Foi amor a primeira vista. Dentro das possibilidades, trabalhei meu interesse pela acrobacia aérea paralelamente ao de um dia ingressar no Mundial, isso com certeza me ajudou muito", relata.

Para participar das provas, é preciso ter um bom histórico de competições internacionais de acrobacia aérea ou ser um distinto piloto militar de caças ou de acrobacias. Quem quiser entender um pouco mais, existe um game disponível para aplicativos móveis andróid e OS X com download gratuito. Lá qualquer um pode ter um pouco da experiência de se pilotar no Air Race e de entender um pouco melhor as regras. É autoexplicativo e fácil de jogar.

Calendário do Red Bull Air Race 2015:

1 - Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos), 13 e 14/02 2 - Chiba (Japão), 16 e 17/05 3 - Sochi (Rússia), 30 e 31/05 4 - Budapeste (Hungria), 4 e 5/07 5 - Ascot (Inglaterra), 15 e 16/08 6 - Spielberg (Áustria), 5 e 6/09 7 - Fort Worth (EUA), 26 e 27/09 8 - Las Vegas (EUA), 17 e 18/10