O lado família do triatleta

iG Minas Gerais |

Apesar de ser um atleta muito concentrado, Diogo tem um lado familiar muito forte. Ele é casado com a arquiteta Patrícia Sclebin e precisa administrar o tempo para cuidar dos filhos pequeno e de outras demandas da casa. Entre as cerca de 20 horas de treino semanais, o triatleta pedala até a escola para buscar uma das crianças e conta com muita ajuda da esposa para fazer tudo funcionar. A flexibilidade em seus horários também contribui.

“A esposa ajuda muito, ela é arquiteta e consegue fazer o próprio horário. Sempre dividimos as funções, eu vou buscar de bicicleta no colégio, faço as compras. Começamos a ajustar as coisas, dá para fazer tudo, já que treino quatro ou cinco horas por dia. Tenho bastante tempo livre para ficar com eles e também fazer algumas tarefas”, conta.

Com um perfil bastante caseiro, o carioca prioriza uma estadia em casa e abre mão até de viagens de lazer para passar mais tempo com os familiares, em Belo Horizonte mesmo. “Se tenho uma oportunidade, quero ficar mais em casa. Não curto muito ficar saindo”, explica.

A outra parte da família vive no Rio de Janeiro e é visitada com frequência, mas o triatleta admite que é um dos poucos motivos que o fazem sentir saudade da capital carioca.

“A família ficou toda lá, eu sinto falta um pouco, mas acho que é só isso. As coisas boas que o Rio tem eu nunca curti muito. Hoje tenho apoio da Aeronáutica, por meio de uma lei de incentivo, e todo ano vou lá. Toda hora vou lá, ano passado tive que ir umas sete vezes”, conta ele.

A própria estrutura que tem a seu dispor pesa para que ele não queira ir tanto para a estrada, já que nem sempre é fácil ter espaço para pedalar, piscina e esteira ao alcance. (DF)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave