Agência dá golpe e mineiros perdem viagem para a Bahia

Responsável alegou infarto, mas depois disse ter sido roubada por agente

iG Minas Gerais | GUSTAVO LAMEIRA |


Grupo iria a Porto Seguro, destino muito procurado no Nordeste
Midia Muta divulgacao
Grupo iria a Porto Seguro, destino muito procurado no Nordeste

Cerca de 150 foliões mineiros que adquiriram pacotes turísticos em uma agência para passar o Carnaval em Porto Seguro (BA) foram surpreendidos, na hora do embarque, com a notícia de que o passeio tinha sido cancelado. Uma das prejudicadas, a atendente Bruna Arruda Viana, 24, conta que ela e o marido pagaram R$ 800 para viajarem, mas não receberam nem um telefonema da empresa Lita e Dudu Turismo para explicar a situação. A responsável pela agência alegou ao grupo ter sofrido um infarto, mas, flagrada pelos clientes sentada em casa, disse que tinha sido roubada pelo agente de viagens.

“Compramos as passagens em 17 de janeiro, para viajar entre 13 de fevereiro e a próxima Quarta-Feira de Cinzas, mas ela (a responsável pela agência) nunca revelou o nome da pousada. Ninguém me avisou nada. Somente na hora de viajar é que descobrimos o golpe”, relatou a jovem.

Os preços cobrados, segundo os prejudicados, variavam de R$ 600 a R$ 630 para dormitórios de solteiros e R$ 800 para o quarto de casal. O embarque aconteceria na rua dos Tupinambás, no centro da capital, às 18h da última sexta-feira. “Quando percebemos que realmente não haveria o especial, ligamos para o telefone do contrato, e a filha dela (da responsável) disse que ela tinha infartado, por isso a viagem tinha sido cancelada. A filha disse que ela estava internada no hospital São Francisco. Ligamos para lá, mas nenhum paciente com o nome dela havia dado entrada. Aí fomos registrar o boletim de ocorrência. Os policiais nos orientaram a procurar a mulher em casa”, disse Bruna.

Segundo o grupo, a dona da empresa, identificada apenas como Lita, foi encontrada sentada em uma cadeira, sem sintoma de um recém-infartado, no imóvel cujo endereço constava no contrato de viagem – no bairro Dom Silvério, na região Nordeste da capital. “Ela fingiu estar passando mal e contou que o guia tinha sumido com o dinheiro e a deixado com um prejuízo de R$ 13 mil. Ela disse que ia resolver o problema amanhã (hoje)”, disse Bruna.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave