Estudo identifica significados em tatuagens de criminosos

Pesquisa feita pela Polícia Militar da Bahia por sete anos mostra padrão entre imagens e crimes

iG Minas Gerais | Bernardo Miranda |

Lt. Alden
undefined

Um estudo da Polícia Militar (PM) do Estado da Bahia concluiu que as tatuagens feitas por detentos nem sempre são apenas uma opção estética, mas representam um complexo código de comunicação usado no mundo do crime. A pesquisa mostrou que a escolha dos desenhos pode identificar qual o tipo de crime cometido e servir até para punir quem desrespeitou o “código de ética” dos criminosos.

Para conseguir catalogar a representação de cada imagem, o capitão do Batalhão Especializado em Policiamento de Eventos da PM baiana, Alden José, passou sete anos, entre 2004 e 2011, entrevistando presidiários e analisando suas fichas criminais. Foram ouvidos 3.000 criminosos e analisados mais de 50 mil documentos. A cada tatuagem analisada, o militar checava o motivo pelo qual o detento havia sido preso. Assim, foi possível traçar um padrão entre os desenhos e os crimes praticados.

“A ideia do estudo começou com vários colegas militares que relatavam sobre as tatuagens de alguns criminosos e a relação com o delito. Porém, não havia nenhum estudo científico, com metodologia, que poderia apontar o que representaria cada tatuagem. Por isso, procuramos fazer esse trabalho”, contou o capitão.

Personagens. Entre os desenhos mais comuns, estão a representação de criaturas, mágicas, frases e até personagens religiosos. O saci é utilizado para representar traficantes de drogas. Os duendes são destinados a marcar os criminosos que são especialistas no refino do material. No mundo do crime, Jesus Cristo pode representar quem cometeu roubo seguido de morte ou alguém que cumpriu uma pena muito longa.

Índia

A tatuagem de uma mulher índia pode indicar que o criminoso é especialista em roubo, com grande habilidade de criar maneiras de atrair as vítimas. O símbolo também é muito utilizado por traficantes no Rio de Janeiro. Os membros da quadrilha que recebem esse desenho estão autorizados a usar as armas mais pesadas, como fuzis.

 

Jesus

O uso da imagem de Jesus Cristo tem origem na máfia russa, mas foi apropriado também por quadrilhas brasileiras. O desenho representa alguém que foi condenado a pagar uma pena muito longa. Se o desenho estiver na perna ou no peito, significa que o criminoso está envolvido em latrocínio – roubo seguido de morte. Também pode representar uma proteção.

Carpa

O desenho de um peixe carpa é muito utilizado pela Yakuza, máfia japonesa. No Brasil, o símbolo foi incorporado por uma quadrilha de São Paulo. Na maioria dos casos, os criminosos com essa tatuagem estão associados ao tráfico de drogas. Se a carpa estiver com a cabeça voltada para cima, demonstra posição de gerente.

Serpente com arame

Algumas tatuagens são feitas para marcar criminosos que descumpriram regras do mundo do crime e podem ser reconhecidas para sempre. A serpente com arame farpado indica um bandido que não é confiável, que faz qualquer coisa para se dar bem, e não hesita em trair e denunciar companheiros.

Amor só de mãe

A frase parece ser inofensiva, mas representa um ato de discriminação que gera grande martírio para os detentos. Esse é o código usado para identificar homossexuais na cadeia. Marcado com essa tatuagem, o detento pode ser obrigado a manter relações sexuais com outros presos, podendo ser estuprado diversas vezes no mesmo dia.

Duende

O símbolo do duende é muito utilizado por traficantes que são especialistas em refino e produção de droga. O desenho também pode ser associado ao responsável por fazer o teste de qualidade do produto antes de ser colocado à venda. Além do duende, esse tipo de atividade também pode ser representada pelo saci. Na quadrilha, os integrantes podem ser chamados de “sacizeiros”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave