Brincar de imaginar

iG Minas Gerais |

undefined

A maior parte das equipes joga hoje no 4-2-3-1, com quatro defensores, dois volantes, uma linha de três meias e um centroavante. É uma variação do tradicional 4-4-2, com duas linhas de quatro e dois atacantes, que começou com os ingleses, em 1966, e que, 49 anos depois, é muito utilizado em todo o mundo. Nas duas situações, quando o time perde a bola, forma-se uma linha de quatro no meio-campo, com dois volantes e um meia de cada lado. Muitos treinadores preferem uma dupla de atacantes, em vez de um centroavante e de um meia mais recuado e centralizado. A seleção brasileira possui uma dupla na frente, Neymar e Tardelli, e um meia de cada lado, Oscar e Willian (cada dia melhor), que marcam e atacam. Não há o meia clássico, pelo centro. Com Felipão, o time jogava da mesma forma. Em outras colunas, falei da importância de o jogador achar sua posição ideal e o lado melhor de atuar, e que ter, em uma partida, mais de uma função é diferente de jogar em várias posições. Alan Kardec é um bom centroavante, por ser alto, finalizar e cabecear bem e fazer bem a função de pivô. É também elogiado por atuar pelos lados e mais recuado, como um meia. Nunca o vi jogar bem nestas posições, embora se esforce para isso. O problema de se adotar um sistema tático e repeti-lo, sem variações, é tentar fazer com que todos os jogadores se adaptem a ele. Muitos não conseguem. Vou brincar de imaginar em que posições, no sistema atual 4-2-3-1, jogariam os maiores atletas do passado. Alguns não teriam problema. Já outros... Garrincha conseguiria ser um ponta moderno, marcar e atacar? Dificilmente. Correria o risco de ficar na reserva, e não conheceríamos um dos gênios do futebol. Se Gerson atuasse hoje, dirigido por um técnico mais atualizado e arejado, seria escalado de segundo volante (prefiro dizer meio-campista), por atuar de uma intermediária à outra, gostar de ficar com a bola, trocar passes, comandar o jogo, além de dar magistrais passes longos. Mas se o técnico fosse um ortodoxo, diria que armador habilidoso não pode ser volante. Teria de ser meia ofensivo. Gerson não seria o craque que foi. Em que posição jogaria Pelé? Ao vê-lo treinar várias vezes, o técnico teria uma grande dúvida, se o escalaria de centroavante, por ser ele excepcional cabeceador, finalizador e pivô, se de atacante pelos lados, por ele ser extremamente veloz e habilidoso, ou como um meia mais recuado, pelo centro, por ser ele muito criativo e dar excelentes passes. Se o auxiliar fosse irrequieto, desassossegado e conhecesse a história de nosso futebol, sugeriria ao treinador colocar Pelé de ponta de lança, formar dupla com o centroavante, com liberdade de voltar para receber a bola e de se movimentar por todo o ataque. O técnico olharia o auxiliar com uma pose de sábio e responderia: “Não dá. Ele tem de se adaptar ao sistema tático”. Mesmo os gênios precisam estar no lugar certo, no momento certo e na época certa. O sucesso é a soma de talentos, acasos, desejos e oportunidades.

Bom início

Apesar de os campeonatos estaduais não serem parâmetro para os antigos nem para os novos jogadores, o uruguaio De Arrascaeta impressionou bem, na primeira partida, contra o Guarani, pelos toques rápidos, pela mobilidade, pela habilidade e pelos bons passes. Não deu para ver ainda se é um bom finalizador e se costuma fazer gols. Há uma possibilidade de o Cruzeiro contratar Wagner. Ele é um bom jogador, mas o prefiro pela esquerda, na posição de Willian, por cruzar e chutar muito bem e ter velocidade e mobilidade para ir e voltar. Não é um meia clássico, pelo centro, para organizar as jogadas. Poderia fazer uma boa dupla com De Arrascaeta.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave