Polícia Federal vai investigar causas de acidente em navio

Desastre deixou cinco mortos e 26 feridos; quatro continuam desaparecidos

iG Minas Gerais |


 Viúva (centro) de um dos mortos é amparada ao deixar o Departamento Médico-Legal
MARCOS DE PAULA
Viúva (centro) de um dos mortos é amparada ao deixar o Departamento Médico-Legal

Rio de Janeiro. A Polícia Federal instaurou inquérito para apurar as circunstâncias do acidente no navio-plataforma Cidade de São Mateus, na bacia do Espírito Santo, ocorrido na última quarta-feira. As condutas investigadas inicialmente são homicídio e incêndio qualificado (por ter ocorrido em uma embarcação). Uma equipe de peritos fez nesta sexta um sobrevoo para identificar os estragos e o ponto de onde começarão os trabalhos da PF.

A explosão na casa de bombas do navio-plataforma, operado pela BW Offshore e afretado pela Petrobras, deixou cinco pessoas mortas (quatro brasileiros e um indiano) e 26 feridos, sete deles ainda internados em hospitais da Grande Vitória. Quatro tripulantes seguem desaparecidos, segundo o último balanço oficial divulgado pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Nenhuma das vítimas ou dos desaparecidos teve o nome divulgado até então. Nesta sexta pela manha, uma equipe de especialistas da BW retornou à unidade para avaliar se as condições são suficientemente seguras para permitir a continuidade dos esforços de busca e resgate.

O prazo inicial para a conclusão do inquérito é de 30 dias, segundo a PF. O órgão, porém, não divulgou mais detalhes nem dará entrevistas, “a fim de não atrapalhar ou prejudicar eventuais levantamentos e perícias que deverão ser realizadas”. Ao longo das investigações, outras condutas poderão ser apuradas caso haja indícios de outras irregularidades, informou o órgão.

O FPSO Cidade de São Mateus, que opera nos campos de Camarupim e Camarupim Norte, a cerca de 120 quilômetros da costa do Espírito Santo, sofreu uma explosão às 12h50 de quarta-feira.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave