Marinha apontou falhas em plataforma da Petrobras que explodiu

O FPSO Cidade São Mateus é um navio-plataforma de extração de óleo e gás de propriedade da empresa BW Offshore e que presta serviço para a Petrobras

iG Minas Gerais | Folhapress |

Inspeções feitas pela Marinha no ano passado apontaram problemas de segurança no navio-plataforma que prestava serviços à Petrobras e explodiu no Espírito Santo na última quarta-feira (11).

A Capitania dos Portos do Espírito Santo informou que a embarcação, denominada FPSO Cidade de São Mateus, foi periciada no dia 3 de abril de 2014 e que foram anotadas 12 deficiências na ocasião.

O FPSO Cidade São Mateus é um navio-plataforma de extração de óleo e gás de propriedade da empresa BW Offshore e que presta serviço para a Petrobras. Havia 74 trabalhadores na embarcação.

O órgão não detalhou os problemas apontados. Segundo reportagem do jornal "O Estado de S. Paulo", a Marinha alertou para defeitos no sistema de detecção de incêndio e gás e destacou que havia pontos com "alto grau de corrosão" em áreas do navio. Alguns dos problemas já haviam sido apontados em inspeções realizadas desde 2009, de acordo com a publicação.

Em nota, a capitania afirmou que as deficiências apontadas pela perícia de abril de 2014 foram corrigidas pela empresa BW Offshore, operadora da plataforma, e consideradas sanadas em 28 de maio do mesmo ano.

No dia seguinte, foi emitida a declaração de conformidade para operação da plataforma, autorizando seu funcionamento em águas brasileiras. O documento tem validade até 3 de abril de 2015.

A capitania ressaltou que as falhas não tinham relação com os equipamentos da casa de bombas da embarcação, local onde teve origem o acidente da última quarta.

SEM REGISTRO

Um dia após a explosão que deixou ao menos cinco mortos e 26 feridos, o Crea-ES (Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura do Espírito Santo) divulgou que notificará a empresa BW Offshore, que opera a embarcação, por falta de registro no órgão.

O conselho também diz que a empresa não constava na lista de contratadas pela Petrobras. "Caso a offshore não tome medidas para regularização, após receber a notificação do Crea, a empresa será multada", diz nota divulgada na noite desta quinta (12).

Segundo o Crea, para uma empresa exercer atividades no Estado, o registro é obrigatório.

A reportagem procurou a BW Offshore e a Petrobras para se pronunciarem sobre a ausência de registro da operadora e o relatório da Marinha que apontou falhas no navio-plataforma, mas nenhuma das companhias respondeu até a publicação da reportagem.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave