Delator diz que Pedro Corrêa recebeu R$ 5,3 mi do esquema na Petrobras

Segundo Costa, o valor foi repassado no primeiro semestre de 2010 e serviria para a campanha eleitoral do ex-deputado naquele ano

iG Minas Gerais | Folhapress |

Depois de ter faltado ao primeiro interrogatório, o deputado cassado Pedro Corrêa (PP) compareceu ontem a Justiça Federal, em Recife
CELSO JÚNIOR /AGÊNCIA ESTADO
Depois de ter faltado ao primeiro interrogatório, o deputado cassado Pedro Corrêa (PP) compareceu ontem a Justiça Federal, em Recife

Pedro Corrêa, ex-deputado federal pelo PP condenado no mensalão, recebeu R$ 5,3 milhões de uma só vez por meio do esquema de corrupção na Petrobras. É o que afirma o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, em depoimento prestado aos investigadores da Operação Lava Jato, sob o rito de delação premiada. O depoimento foi prestado no dia 9 de janeiro, mas só foi liberado nesta semana.

"Tratava-se se um repasse extraordinário, pois não era comum que um único parlamentar do PP recebesse uma quantia dessa monta do 'caixa' de propinas do PP", diz a delação. Segundo Costa, o valor foi repassado no primeiro semestre de 2010 e serviria para a campanha eleitoral de Pedro Corrêa naquele ano.

Além do valor -que estava marcado como "5,3 Pe" em uma caderneta apreendida pela Polícia Federal, e que Paulo Roberto Costa afirmou tratar-se do montante e do ex- deputado-, o delator afirma que Pedro Correa recebia "parte dos repasses periódicos destinados ao PP e oriundos das propinas pagas nos contratos firmados no âmbito da Diretoria de Abastecimento".

O advogado Marcelo Leal de Lima Oliveira, que defendeu o ex-deputado no processo do mensalão, afirmou, que não poderia comentar porque ainda não conversou com Corrêa sobre o caso nem teve acesso à delação de Paulo Roberto Costa. Afirmou, ainda, que não há acusações contra seu cliente.

Mensalão

Quarto condenado no mensalão a ter o nome citado durante as investigações da Operação Lava Jato, Corrêa (PP-PE) está preso no Centro de Ressocialização do Agreste, em Canhotinho (a 206 km do Recife). Ele foi condenado a 7 anos e 2 meses de prisão em regime semiaberto por corrupção e lavagem de dinheiro.

Inicialmente, Corrêa ficaria preso na penitenciária agroindustrial São João, em Itamaracá, ilha na região metropolitana da capital pernambucana. Mas a família pediu que ele fosse transferido para Canhotinho, cidade a 115 km de Brejo da Madre de Deus, onde a mulher do ex-deputado tem uma pousada. Além disso, o município fica na área de influência política de Corrêa.

Dos condenados no mensalão, também apareceram nas delações da Lava Jato o ex-ministro José Dirceu, o ex-assessor do PP João Cláudio Genu e o doleiro e operador do mercado de capitais Erivaldo Quadrado.

Dirceu foi condenado no mensalão por formação de quadrilha e corrupção ativa, e agora cumpre prisão domiciliar. Genu, condenado por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e corrupção passiva, cumpre pena em regime aberto. Quadrado foi condenado por formação de quadrilha e lavagem de dinheiro, teve a pena convertida em prestação de serviços.

Leia tudo sobre: Pedro Côrrealavajatolava jatodelatordepoimentopolícia federal