Doleiro afirma não ter conseguiu se reunir com Renan

Youssef declarou que presidente do Congresso foi procurado para facilitar um negócio com papéis do fundo de pensão dos Correios, o Postalis, mas ele não conseguiu acesso ao parlamentar e o negócio não saiu do papel

iG Minas Gerais | Folhapress |

Trecho de um dos depoimentos sigilosos prestados pelo doleiro Alberto Youssef na Operação Lava Jato indica que o presidente do Congresso, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), foi procurado para facilitar um negócio com papéis do fundo de pensão dos Correios, o Postalis, mas o doleiro não conseguiu acesso ao parlamentar e o negócio não saiu do papel.

O doleiro afirmou que "tentou agendar uma reunião", mas não se encontrou com o senador por "desencontro de agendas".

O depoimento contradiz um ponto importante das informações prestadas à CPI da Petrobras pela contadora de Youssef, Meire Poza. Ela havia dito, em sessão da CPI no Congresso Nacional, que tomara conhecimento de que o doleiro havia se reunido com o senador, por volta de março de 2013, para negociar uma compra, pelo Postalis, de R$ 25 milhões em cotas de um fundo de investimento de interesse do doleiro.

Ouvido na época pela reportagem, Renan negou a reunião e disse que a chance de que ela tivesse ocorrido era "absolutamente zero".

O doleiro prestou depoimento sigiloso em 15 de outubro passado, mas o documento foi mantido em sigilo na Procuradoria Geral da República (PGR) e no Supremo Tribunal Federal (STF). Nesta quinta-feira (12), por decisão do juiz Sergio Moro, foi anexado aos autos da Operação Lava Jato um total de 63 depoimentos prestados por Youssef e pelo ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa.

Youssef disse que procurou Renan Calheiros porque pretendia obter um aval político para conseguir convencer o Postalis a comprar cotas do Fundo Máxima, ligado a uma agência de viagens do doleiro. Youssef afirmou que "todo fundo [de pensão] tem seu mando político".

"O declarante [Youssef] tem conhecimento que os fundos de previdência no Brasil como um todo 'tem um mando político, e que se não fizer a tratativa política, as coisas não fluem da maneira como tem que fluir, talvez não se concretize'", disse o doleiro, segundo o termo de depoimento prestado à Polícia Federal.

Youssef disse que sua procura por Renan fracassou e que o Postalis não adquiriu nenhuma cota do Fundo Máxima, com qual ele pretendia alavancar entre R$ 50 milhões e R$ 60 milhões. Youssef também não teve sucesso ao tentar vender cotas do fundo para Petros, o fundo de pensão da Petrobras, e Funcef, da Caixa Econômica Federal.

Por outro lado, Youssef conseguiu vender os papéis a outros institutos de previdência social de servidores municipais e estaduais pagando uma alta taxa de 10% de "comissão" a seus corretores. Com exceção de um caso, que envolveu o instituto de previdência do Estado do Tocantins, o doleiro não soube dizer se agentes públicos acabaram corrompidos com o dinheiro que repassou aos corretores.

Para conseguir R$ 2 milhões em investimentos do instituto da Prefeitura de Holambra (SP), por exemplo, Youssef disse ter pago R$ 200 mil a um corretor. Em Petrolina (PE), o corretor ficou com R$ 100 mil, "pagos em dinheiro nas mãos".

Leia tudo sobre: Lava Jato