Costa diz ter ouvido que Vaccarezza recebeu R$ 400 mil

Suposto suborno teria sido repassado pela empresa, que fica nos Estados Unidos, por conta de um contrato para importação de asfalto pela Petrobras

iG Minas Gerais | Folhapress |

Costa diz ter ouvido que Vaccarezza recebeu R$ 400 mil
Agência Brasil
Costa diz ter ouvido que Vaccarezza recebeu R$ 400 mil

O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa disse em um dos depoimentos que ouviu de um lobista e empresário que o ex-deputado federal Cândido Vaccarezza (PT-SP) teria recebido R$ 400 mil de uma empresa chamada Sargeant Marine, que fica na Flórida, nos Estados Unidos. O suposto suborno teria sido repassado pela empresa, que fica nos Estados Unidos, por conta de um contrato para importação de asfalto pela Petrobras.

O nome de Vaccarezza segundo Costa, foi mencionado como beneficiário de propina por Jorge Luiz, a quem ele classifica de "empresário-lobista do Rio de Janeiro". A citação ao nome do ex-deputado teria ocorrido entre 2009 e 2010. Vaccarezza foi líder do governo da presidente Dilma Rousseff (PT) entre 2010 e 2012.

O próprio Costa disse no interrogatório ter recebido uma propina de US$ 192.800 por conta desse contrato, em que houve dispensa de licitação, ainda de acordo com o executivo. O dinheiro foi deposito numa conta na Suíça, aberta em nome de um genro de Costa, chamado Humberto Mesquita.

Ele me absolve 

Vaccarezza disse à reportagem que a menção de seu nome por Costa mostra que ele não teve participação alguma nos casos investigados pela Operação Lava Jato. "O Paulo Roberto me absolve completamente nesse depoimento. Ele próprio não diz que eu recebi [suborno], mas que ouviu essa história de alguém que nunca ouvi falar e que é um lobista. Aliás, ele não afirma nada, mas uso o condicional. Diz que eu teria recebido".

O ex-líder do governo atribui o fato de não ter sido reeleito às citações ao seu nome na Operação Lava Jato. "O jeito leviano que citaram o meu nome custou a minha reeleição". A reportagem não conseguiu localizar representantes da empresa nem o empresário Jorge Luz.

Leia tudo sobre: Lava jato