Cristina critica protesto que lembrará morte de promotor

Nisman apareceu morto em seu apartamento, no mês passado, um dia antes de apresentar no Congresso denúncia contra a presidente

iG Minas Gerais | Folhapress |

Kirchner dissolve Secretaria de Inteligência após morte de Nisman
Alvaro Barrientos/associated press - 01.12.2009
Kirchner dissolve Secretaria de Inteligência após morte de Nisman

Em discurso na Casa Rosada, nesta quarta (11), a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, criticou o protesto, organizado pelos promotores de Justiça, para lembrar um mês da morte de Alberto Nisman. Eles estão convocando as pessoas a marcharem em silêncio na próxima quarta (18).

Nisman apareceu morto em seu apartamento, no mês passado, um dia antes de apresentar no Congresso denúncia contra a presidente. O promotor acusava Cristina Kirchner e aliados de conspirarem para supostamente proteger responsáveis iranianos pelo atentado à entidade judia Amia, em 1994.

Os promotores pretendem fazer um protesto em silêncio e dizem que não se trata de uma manifestação contra o governo. Mas opositores políticos da presidente confirmaram presença na manifestação, o que despertou críticas de membros do governo.

Em seu discurso, acompanhado por uma militância que ocupou a Casa Rosada, Cristina Kirchner disse: "Fiquemos com o canto, com a alegria, eles que fiquem com o silêncio. Eles sempre gostaram do silêncio".

"Eles não têm nada a dizer porque não podem dizer o que pensam", prosseguiu.

A presidente citou alguns programas do governo, sempre os colocando em oposição "a eles", sem citar diretamente a manifestação ou os promotores. "O ódio nós deixamos para eles, o amor é nosso."

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave