Indicadores da FGV que avaliam mercado do trabalho apresentam piora

Indicador Coincidente de Desemprego, que considera a percepção dos consumidores sobre a situação atual do mercado de trabalho, piorou 4,8% no período

iG Minas Gerais | Agência Brasil |

A produção industrial acumulou uma queda de 18,2% em 4 meses
Studio Cerri
A produção industrial acumulou uma queda de 18,2% em 4 meses

Dois indicadores de avaliação do mercado de trabalho da Fundação Getulio Vargas (FGV) tiveram piora na passagem de dezembro de 2014 para janeiro deste ano. O Indicador Coincidente de Desemprego, que considera a percepção dos consumidores sobre a situação atual do mercado de trabalho, piorou 4,8% no período.

Segundo a FGV, o resultado confirma uma tendência de piora no mercado de trabalho, já observada ao longo de 2014.

O Indicador Antecedente de Emprego, que busca antecipar a tendência do mercado de trabalho nos próximos meses com base na opinião de consumidores e empresários da indústria e de serviços, caiu 2,4%.

A queda foi puxada principalmente pela piora dos indicadores de tendência de negócios da indústria (que caiu 9,2%) e do setor de serviços (que recuou 7,6%). A avaliação dos consumidores sobre a disponibilidade de emprego futuro caiu 5,8%.  

Leia tudo sobre: FGVmercado de trabalho