Oposição mantém trabalho de obstrução de pauta na Câmara de BH

No início da sessão, os 41 vereadores registraram presença, e a votação parecia que iria acontecer, mas manobra da oposição encerrou a sessão sem apreciação

iG Minas Gerais | Tâmara Teixeira |

ALEXANDRE GUZANSHE - 14.10.2009
undefined

Na sessão desta quarta-feira (11), a oposição manteve seu trabalho de obstrução da pauta na Câmara de Belo Horizonte e trocou acusações com a base. Um grupo acusa o outro de quebrar o acordo estabelecido na terça-feira (10) para liberar a agenda do plenário com a votação de cinco vetos e, em seguida, sete projetos dos vereadores - entre eles o que extingue a verba indenizatória - e um do Executivo.

Segundo o acordo, em contrapartida, a oposição teria uma reunião com o governo, que só foi agenda para sexta-feira (13). Além disso, os vereadores pediram a retirada de pauta de projetos polêmicos da prefeitura, como o estacionamento subterrâneo e a venda de terrenos no Jardim Canadá.

No início da sessão, os 41 vereadores registraram presença, e a votação parecia que iria acontecer. No entanto, ao longo dos trabalhos, percebendo o esvaziamento do plenário, o PT pediu verificação de quórum, o número caiu para 19, e a sessão foi encerrada sem a apreciação de nenhum projeto ou veto. Eram precisos 21 parlamentares.

"Eles não estão cumprindo com o acordo, com a palavra que deram. Eles estão querendo atrapalhar a administração do Marcio Lacerda", criticou o presidente da Casa Wellington Magalhães (PTN).

Diante do impasse, nesta quinta-feira (11), a oposição promete manter a postura de obstrução da pauta. "Quem rompeu com o acordo foram eles. Na sexta, votamos dependendo do retorno do governo na reunião. Estamos aqui, quem não dá o quórum é a base", rebateu Arnaldo Godoy (PT).

O petista lembrou ainda que a reunião com a secretária de Governo, Luzia Ferreira (PPS), na sexta-feira, por si só não garante que eles irão desobstruir a pauta. "Queremos ouvir o compromisso que as pautas polêmicas que ainda não foram discutidas com a cidade serão mais debatidas antes de irem a plenário", afirmou Godoy. Ele alfinetou ainda que quem está impedindo as votações não é a oposição, mas a base que "não consegue manter os aliados em plenário".

Na tarde desta quarta-feira, o líder de governo, Preto (DEM), disse que irá ligar para todos os aliados pedindo que eles permaneçam em plenário, impedindo manobras da oposição. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave