Plano da dívida não contempla emissões para empresas públicas

Paulo Valle disse também não acreditar em um rebaixamento do rating (nota) do Brasil por agências de classificação de risco

iG Minas Gerais | Agência Brasil |

O Plano de Financiamento Anual da dívida pública para 2015 não contempla emissões para empresas públicas, destacou hoje (11) o subsecretário da Dívida Pública do Tesouro Nacional, Paulo Valle. A orientação está em harmonia com determinação do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, que no ano passado defendeu a importância do fim dos repasses a bancos públicos para garantir cumprimento da meta de superávit primário (economia para pagar os juros da dívida). Os repasses por meio de emissões de títulos do Tesouro contribuem para aumentar a dívida pública.

Paulo Valle disse também não acreditar em um rebaixamento do rating (nota) do Brasil por agências de classificação de risco.

"[O governo] reafirmou compromisso com a disciplina fiscal e a estabilidade dos preços. Nossa expectativa é que não haverá redução do rating ao longo do ano", declarou, em coletiva de imprensa ao comentar o resultado da dívida em 2014 e as projeções para 2015.  Acrescentou que o equilíbrio fiscal deve trazer um ciclo virtuoso, com melhoria de crédito, poupança e estabilidade monetária.

Valle informou, que este ano, o órgão anunciará melhorias no Tesouro Direto, programa de compra e venda de títulos públicos para pessoas físicas. O objetivo das mudanças é tornar o programa acessível. Uma das medidas, por exemplo, serão os ajustes na nomenclatura dos títulos, atualmente designados por letras, a fim de que se tornem mais explicativos.

Segundo Paulo Valle, o programa Tesouro Direto é importante porque confere transparência à dívida pública.

"Tem o caráter de ajudar no financiamento da dívida e este caráter de todo brasileiro entendendo a dívida pública", comentou.

O lançamento de todas as alterações está previsto para 10 de março.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave