Embaixadas da Europa planejam encerrar operações no Iêmen

Após o anúncio dos Estados Unidos sobre o fechamento da embaixada, países europeus também planejam encerrar atividades diplomáticas no país

iG Minas Gerais | Agência Brasil |

Yemeni men stand next to a charred vehicle outside a heavily damaged house near the presidential palace in Sanaa on January 20, 2015, following fierce clashes between Huthi militiamen and the presidential guard the previous day.
MOHAMMED HUWAIS / AFP
Yemeni men stand next to a charred vehicle outside a heavily damaged house near the presidential palace in Sanaa on January 20, 2015, following fierce clashes between Huthi militiamen and the presidential guard the previous day.

As embaixadas europeias no Iêmen pretendem fechar e retirar o seu pessoal do país devido ao agravamento da situação política e de segurança. Os Estados Unidos já haviam anunciado o fechamento da sua embaixada.

"Estamos pensando em ir embora", disse uma fonte diplomática. De acordo com essa fonte, os britânicos já seguiram os passos dos norte-americanos que anunciaram, por meio do Departamento de Estado, o fechamento da embaixada em Sanaa e a retirada dos funcionários e familiares.

A Embaixada da França está fechada na manhã desta quarta-feira (11) e outras representações diplomáticas não responderam às tentativas de contato telefônico.

O movimento xiita dos Huthi, que em setembro passado entrou em Sanna, anunciou na sexta-feira (6) a dissolução do Parlamento e a instalação de nova direção, depois de ter provocado, em janeiro, a demissão do presidente do país, Abdu Rabu Mansur Hadi.

Encerramento de atividades

Os Estados Unidos confirmaram o encerramento das atividades de sua embaixada no Iêmen devido à possibilidade de ataques terroristas e à instabilidade do país. O governo norte-americano pediu aos seus cidadãos que abandonem o país o quanto antes.

"Diante da deterioração da situação de segurança em Sanaa, o Departamento de Estado suspendeu as operações da embaixada no Iêmen e o pessoal foi retirado", informou o órgão.

"Todos os serviços consulares, de rotina e de emergência, foram suspensos até nova ordem. O Departamento de Estado pede a todos os cidadãos norte-americanos que evitem viajar para o Iêmen e a todos que vivem lá que abandonem o país", acrescentou.

A Embaixada dos Estados Unidos suspendeu os serviços em 26 de janeiro, na sequência da demissão do presidente do país, Abdu Rabu Mansur Hadi, após forte pressão do movimento rebelde xiita dos Huthi.

Em janeiro, Washington já havia anunciado a suspensão de diversas operações antiterroristas no Iêmen devido à turbulência interna.

O movimento xiita dos Huthi, hostil aos Estados Unidos, ocupou nos últimos meses edifícios governamentais e palácios presidenciais em Sanaa e já controla sete províncias iemenitas.

Leia tudo sobre: IêmenEUAeuropadiplomacia