Novos parlamentares terão R$ 2,4 bi em emendas no Orçamento deste ano

Jucá disse que as emendas dos parlamentares antigos não serão prejudicadas, e assegurou que pela sistemática negociada com os líderes dos partidos, todos serão atendidos

iG Minas Gerais | Agência Brasil |

José Cruz/ABr
undefined

Os novos parlamentares do Congresso Nacional terão emendas incluídas no Orçamento deste ano, em um total de R$ 2,4 bilhões. Segundo o relator do Orçamento de 2015, Romero Jucá (PMDB-RR), eles poderão apresentar solicitações que serão transformadas em emendas de relator. Cada deputado ou senador terá R$ 10 milhões em emendas - metade deverá ser para a área de saúde.

“Pela primeira vez, novos parlamentares serão incluídos no Orçamento do próprio ano”, disse Jucá, após reunião da bancada do PMDB no Senado com o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga. Segundo o senador, a medida irá beneficiar em torno de 240 parlamentares.

Jucá disse que as emendas dos parlamentares antigos não serão prejudicadas, e assegurou que pela sistemática negociada com os líderes dos partidos, todos serão atendidos. “É claro que o atendimento operacional se dará no ritmo da capacidade do governo”, ressaltou. Questionado se há recursos suficientes no Orçamento, o senador explicou que não estão sendo criadas receitas novas, apenas um remanejamento de recursos. “Estamos dando um jeitinho”, disse.

Na reunião com Braga, os senadores do PMDB foram informados sobre a atual situação do setor elétrico no país e as ações que estão sendo adotadas pelo governo. Para Jucá, o PMDB está dando sua contribuição para o país no comando do Ministério de Minas e Energia. “Se o racionamento tivesse que acontecer, seria uma fatalidade, não seria pelo erro individual de uma ou duas pessoas”, disse o senador, referindo-se aos dois últimos ministros de Minas e Energia, que são do PMDB: o ex-ministro Edison Lobão e o atual Eduardo Braga.

O senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) disse que Eduardo Braga procurou tranquilizar os parlamentares em relação à situação energética do país. “O desejo do ministro era apresentar dados e informações para que a bancada possa ter condições de atuar na defesa e mostrar o quadro verdadeiro que existe no Brasil, que não é um quadro alarmante em relação a qualquer possibilidade de racionamento”, disse.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave