De topless, ativistas do Femen cercam carro de Dominique Strauss-Kahn

Três ativistas do grupo feminista protestaram nesta terça-feira (10) na frente do tribunal de Lille, durante a chegada do ex-diretor do FMI Dominique Strauss-Kahn

iG Minas Gerais | Folhapress |

Três ativistas do grupo feminista Femen protestaram nesta terça-feira (10) na frente do tribunal de Lille, na França
AFP PHOTO / DENIS CHARLET
Três ativistas do grupo feminista Femen protestaram nesta terça-feira (10) na frente do tribunal de Lille, na França

Três ativistas do grupo feminista Femen protestaram nesta terça-feira (10) na frente do tribunal de Lille, na França, durante a chegada do ex-diretor do FMI Dominique Strauss-Kahn, que prestará depoimento sobre a acusação de caftinagem.

Com os seios à mostra e mensagens pintadas no corpo contra o proxenetismo e a prostituição, uma delas chegou a subir no capô do carro de Strauss-Kahn antes de ser contida pela polícia francesa. As três foram presas pelos agentes.

Este é o primeiro depoimento do ex-diretor do FMI, que é acusado de ser o principal beneficiário de festas e orgias organizadas por empresários franceses em Lille, Paris e Washington.

Na França, não é ilegal pagar por sexo, mas é proibido solicitar ou agenciar prostitutas. A defesa de Strauss-Kahn nega que ele tenha participado dos eventos, embora as garotas de programa o acusem de ter comparecido às orgias.

Além dele, outras 13 pessoas são processadas pelo crime. Dentre elas, está o empresário David Roquet, amigo do ex-diretor do FMI que alega nunca ter contado a ele que as mulheres que estavam na festa eram contratadas.

Caso seja condenado, Strauss-Kahn poderá pegar uma pena de até dez anos de prisão e de pagamento de multa de -1,5 milhão de euros (R$ 4,2 milhões). Esta fase do julgamento deverá durar três dias.

Em maio de 2011, o ex-diretor do FMI foi detido nos EUA sob acusação de estupro de uma camareira do hotel Sofitel, em Nova York. Ele ficou quatro dias preso, período no qual renunciou ao seu cargo no fundo.

Até então, ele era o favorito nas pesquisas de opinião para a eleição presidencial francesa que ocorreria em 2012. As acusações criminais foram abandonadas em agosto de 2011 devido a dúvidas sobre a credibilidade da vítima.

Mais tarde, as duas partes assinaram um acordo financeiro secreto, finalizando o processo civil. Ele alegava que a relação com a camareira havia sido consensual.

Leia tudo sobre: protestoativistasfeministasFemenStrauss-Kahn