Paciência e entrosamento

iG Minas Gerais |

Willian, autor do único gol cruzeirense, saiu do gramado após o empate com a Caldense pedindo paciência à torcida, que naquele momento vaiava o 1 a 1 sofrível no Mineirão. Que o seu pedido seja atendido, já que não é fácil começar quase tudo de novo como o Cruzeiro está sendo obrigado a fazer neste início de temporada. Além da perda de jogadores muito importantes e remontagem do time, a Raposa enfrentou um adversário bem treinado pelo Leonardo Condé, um treinador emergente e promissor. O time dele estreou em casa fazendo 6 a 1 no Mamoré, e, na partida de ontem, entrou consciente do que queria nessa segunda rodada do Campeonato Mineiro: um ponto seria ótimo e quase conseguiu levar três. O mais proveitoso para Marcelo Oliveira foi poder ver que o lateral Fabiano teve ótima atuação, mesmo improvisado como zagueiro. Parece ter sido uma aquisição dessas que podem ser chamadas de reforço. Os demais novatos foram razoáveis, e certamente pode-se esperar muito mais deles pelo histórico que têm nos clubes pelos quais já jogaram: Riascos, no meio, e Mena, na lateral esquerda, que terá de render bem mais para que a torcida não sinta saudades do Egídio. A entrada do De Arrascaeta deverá melhorar muito o time e iniciar um novo ciclo.

Bola e raça. Pelo futebol apresentado contra o Atlético, difícil imaginar como o Mamoré tomou de 6 a1 da Caldense na primeira rodada do torneio. Apesar da derrota por 2 a 0, foi uma equipe aguerrido, bem posicionado e deu grande trabalho ao time do Levir Culpi. Não tivesse desperdiçado o pênalti, um empate naquele momento do jogo poderia ter complicado o Galo.

Libertadores. A vitória do Galo em Patos de Minas foi em campo pesado, casa cheia, torcida bem próxima dos jogadores e um adversário que jogou duro, apesar de não ter sido desleal, com um requinte das disputas no continente. Destaque também para Dátolo e Luan, autor do segundo gol, que foi diferente: chute de longe, coisa rara entre os jogadores brasileiros.

Bom demais. A torcida atleticana voltou a sentir a importância de ter um ótimo goleiro como o Victor, que defendeu mais um pênalti com a camisa alvinegra. E foi dele a melhor definição desse jogo em Patos de Minas: “Foi uma boa preparação para a Libertadores”, lembrando as condições da partida.

Acréscimo. Aliás, a chegada do colombiano Cárdenas acrescentará esta virtude ao time do Atlético, já que chutar de longas distâncias é uma das características deste canhoto, que é veloz e sabe segurar a bola em momentos decisivos. Lucas Pratto também foi bem, apesar de não ter marcado desta vez, mas mostrou espírito de grupo ao ajeitar para o Jemerson abrir o placar.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave