Sentada no banco da escola

No ar em “Malhação”, trama adolescente da Globo, Gabi Lopes prioriza momento de aprendizado na televisão

iG Minas Gerais | caroline borges |

“É um sistema muito intimidador. Em ‘Malhação’, tenho a oportunidade de conhecer o mercado”
Jorge Rodrigues Jorge/CZN
“É um sistema muito intimidador. Em ‘Malhação’, tenho a oportunidade de conhecer o mercado”

A voracidade e a agilidade do meio televisivo podem assustar um ator iniciante. Por isso mesmo, Gabi Lopes sempre planejou começar sua trajetória na TV de forma cautelosa. No ar em “Malhação” como a lutadora Pri, a atriz de 20 anos sabia que o folhetim infantojuvenil da Globo era a forma ideal e tranquila para estrear nas novelas e compreender a rotina da indústria televisiva. “É um sistema muito intimidador. Em ‘Malhação’, tenho a oportunidade de conhecer o mercado da televisão em passos lentos, com auxílio e crescendo junto com o elenco da trama. Hoje, estou mais acostumada e tenho meus macetes para lidar com a rotina acelerada, por exemplo”, explica a jovem artista.

Na história dos autores Rosane Svartman e Paulo Halm, Gabi foi inicialmente contratada para integrar o elenco de apoio do folhetim. No entanto, ao longo dos capítulos, viu sua personagem crescer, ganhar espaço e abordar a temática homossexual na adolescência. “A ideia é mostrar o assunto de forma normal. Ela gosta de meninas e ponto final. Não é um problema ou uma questão para a personagem. Namora meninas e é feliz assim”, afirma ela, segura das intenções de sua personagem na novela adolescente.

Apesar de estar inserida no núcleo da academia de muay thai do mestre Gael, interpretado pelo ator Eriberto Leão, a atriz foi orientada pela produção da trama a não construir uma personagem com trejeitos masculino ou bruscos. “Era para fazer uma voz doce, suave e mostrar que uma lésbica não precisa necessariamente falar grosso. As roupas são todas sensuais, com barriga de fora e com renda”, ressalta ela, que coloriu os fios e raspou a lateral do cabelo para a novela. “A direção queria um cabelo com referências estrangeiras. O corte lateral é o símbolo homossexual também”, completa Gabi Lopes, animada com a oportunidade que vive atualmente na emissora. Preferências

O que falta na TV: Conteúdo O que sobra na TV: Publicidade Ator: Bruno Gagliasso Atriz: Anne Hathaway Novela preferida: “Império”, trama da Globo Vilão marcante: Nazaré, interpretada por Renata Sorrah em “Senhora do Destino”, de 2004 Que novela gostaria que fosse reprisada: “Amor à Vida”, de 2013, da Globo. Filme: “Os Delírios de Consumo de Becky Bloom”, de P.J. Hogan Autor: Aguinaldo Silva Diretor: Luiz Henrique Rios

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave