O lado pouco conhecido e ainda mais radical de Fábio Carvalho

Com sete curtas, mostra contempla premiado diretor mineiro e traz obra inédita a Belo Horizonte

iG Minas Gerais | Deborah Couto |

Cena de “Gabinete das Figuras Variadas”, em cartaz na mostra
Cena de “Gabinete das Figuras Variadas”, em cartaz na mostra

O cinema mineiro tem poucos nomes tão arrojados quanto Fábio Carvalho. Fotógrafo, diretor e produtor, faz filmes desde 1984, quando debutou com “Imaginação”, filmado em super-8, além de colecionar prêmios no cinema nacional. Sete de suas dezenas de produções entram em cartaz amanhã na programação da VI Mostra de Cinema: Cultura, Arte e Poder, no Verão Arte Contemporânea, que leva os curta-metragens à sala Humberto Mauro na Perspectiva Fábio Carvalho.

“A Ponte”, “Gabinete das Figuras Variadas”, “Neville de Bracher”, “O Foguete Parou na Porta”, “Brisas Secretas das Alturas”, “Pelos Pubianos Vermelhos” e “O Babaca”, as obras em exibição, têm como característica serem ainda mais audaciosas que os impetuosos filmes de Carvalho. “Quando Sávio Leite (curador da mostra, ao lado do grupo Oficina Multimedia) me pediu filmes para a Perspectiva, solicitou curtas que tivessem sido pouco exibidos. Escolhi produções que, além de pouco exploradas, considerava, de certa forma, cinematograficamente mais radicais, mais livres. São obras naturais, às vezes caseiras”, diz o cineasta.

“Livre é uma palavra perfeita para definir Fábio de Carvalho”, diz Sávio Leite. “Ele tem a total liberdade de tocar qualquer assunto de forma independente, como deseja. Tem, inclusive, alguma dificuldade para exibir seus filmes, por isso é tão pouco visto”, diz o curador da mostra.

Leite lembra que a mostra exibe o inédito “Pelos Pubianos Vermelhos”, de 2010, um “filme-rock”, experimental, em que atores e bailarinos se despem de forma provocante.

Fábio Carvalho conta que sua paixão pelo ofício às vezes lhe traz mesmo dificuldades. “Fazer cinema, para mim, é uma necessidade e um problema. Porque essa necessidade, para ser consumada, depende de outras pessoas, do trabalho e da disposição delas também”, fala o diretor, que tem parcerias constantes, como as mantidas com Isabel Lacerda e Chico de Paula. Mas, no fim, ela parece valer à pena. “Revi todos os filmes para enviá-los a Sávio para a mostra e vou dizer-lhe o inconfessável: com um olhar mais externo, fiquei satisfeito comigo mesmo”.

Agenda

O quê. Perspectiva Fábio Carvalho

Quando. Amanhã, às 18h, e segunda-feira, às 21h

Onde. Sala Humberto Mauro, no Palácio das Artes (av. Afonso Pena, 1.537, centro)

Quanto. Entrada Franca

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave