Tsipras respeitará 'contrato' com povo grego apesar de fracasso

Tsipras respeitará 'contrato' com povo grego apesar de fracasso

iG Minas Gerais | AFP |

Tsipras diz que, apesar do fracasso nas negociações com a Europa, compromisso com o povo grego está mantido
AFP
Tsipras diz que, apesar do fracasso nas negociações com a Europa, compromisso com o povo grego está mantido

Os líderes gregos anti-austeridade reiteraram seu compromisso de renegociar a enorme dívida do país, apesar do fracasso de uma viagem pela Europa, onde encontraram apenas aliados a sua causa.

"Nós somos um país soberano, temos uma democracia, temos um contrato com o nosso povo e nós vamos respeitá-lo", declarou o primeiro-ministro grego Alexis Tsipras, em sua primeira reunião na quinta-feira com líderes do partido de esquerda radical, Syriza, desde as eleições de 25 de janeiro.

Tsipras e seu ministro das Finanças, Yanis Varoufakis, visitaram Paris, Londres, Roma, Frankfurt, Bruxelas e Berlim nos últimos seis dias para explicar seus planos para aliviar a situação de uma Grécia financeiramente encurralada.

A viagem começou bem, com alguns sinais de entendimento, mas terminou mal. O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, reiterou a oposição de seu país para renegociar a dívida grega e expressou ceticismo sobre os planos de Atenas para reestruturar os empréstimos concedidos pela União Europeia e o FMI.

"Não chegamos nem a concordar que estamos em desacordo", disse Varoufakis após o encontro com o seu colega alemão. A isto, somou-se a decisão do Banco Central Europeu (BCE) de cortar o acesso dos bancos gregos a um de seus canais de financiamento.

Apesar da falta de apoio europeu, o governo grego liderado pelo Syriza obteve o apoio de sua própria população, com milhares de pessoas reunidas em Atenas.

"Não temos nada a perder", afirmou Stavroula Drakopoulou, um professor de 55 anos, uma manifestante que marchou pela mesma razão na segunda cidade grega, Salônica.

Reunião especial sobre a Grécia

Os contatos internacionais da Grécia continuam nesta sexta-feira. Varoufakis recebe uma delegação do Tesouro americano, liderada pelo vice-secretário para Assuntos Europeus, Daleep Singh.

Na próxima quarta-feira, os ministros das Finanças da zona do euro se reunirão em Bruxelas para uma reunião "extraordinária" com o objetivo de tentar encontrar um acordo sobre a situação na Grécia, indicou nesta sexta-feira o presidente do Eurogrupo, Jeoren Dijsselbloem.

Esta reunião será realizada na véspera de uma cúpula de chefes de Estado e de Governo da União Europeia (UE). Será o primeiro evento europeu para o novo governo grego, e a primeira ocasião de Tsipras para se reunir com a chanceler alemã, Angela Merkel.

No entanto, uma fonte diplomática indicou que não era "boa ideia" organizar a reunião na véspera da cúpula de chefes de Estado, precisamente por causa das fortes diferenças expressas nos últimos dias entre alguns membros do Eurogrupo e Grécia.

Syriza é o primeiro partido anti-austeridade a alcançar o poder na Europa. Uma de suas primeiras medidas foi parar os planos de privatização, exigidas pela "troika" de credores (UE, FMI, BCE).

Atenas anunciou que não iria cooperar mais com a "troika", que supervisiona a implementação das duras medidas de austeridade impostas ao país em troca de empréstimos no total de 240 bilhões de euros (US$ 275 bilhões).

Tsipras e Varoufakis moderaram posteriormente suas propostas para reestruturar a sua dívida, de um total de 315 bilhões de euros, o equivalente a 175% do PIB.

Nesta sexta-feira, após cair 3,3% na quinta-feira, a Bolsa de Atenas voltou a fechar em baixa (-1,97%), refletiindo a incerteza dos mercados sobre a estratégia da Grécia frente aos credores.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave