Tesoureiro do PT é aplaudido em Belo Horizonte em encontro do partido

João Vaccari Neto participou de encontro da corrente Construindo Novo Brasil (CNB), na quinta (5); no mesmo dia, ele prestou depoimento sobre operação Lava Jato

iG Minas Gerais | Folhapress |

Cooperativa de crédito habitacional lesou cerca de 3.000 mutuários
MÁRCIA KALUME /AGÊNCIA SENADO
Cooperativa de crédito habitacional lesou cerca de 3.000 mutuários

O tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, foi aplaudido nesta quinta-feira (5) à noite por companheiros da legenda durante encontro da corrente Construindo Novo Brasil (CNB), em Belo Horizonte. Segundo participantes, uma dirigente de Minas Gerais puxou uma "salva de palmas" para Vaccari, que estava presente. O tesoureiro foi citado na Operação Lava Jato e conduzido à Polícia Federal nesta quinta para prestar esclarecimentos.

A CNB, corrente majoritária da legenda, é ligada ao ex-presidente Lula. Nesta sexta-feira (6), Lula deve participar de parte de reunião do Diretório Nacional para debater a crise política. Estão previstas mais manifestações de solidariedade a Vaccari neste encontro.

Após prestar esclarecimentos à PF, Vaccari seguiu para Belo Horizonte onde o PT comemora nesta noite seus 35 anos de fundação em uma festa.

A aliados, Vaccari disse que estava disposto a depor se fosse convidado ou intimado.

Petrobras

Em depoimento concedido em acordo de delação premiada a integrantes da Operação Lava Jato, que investiga um esquema de corrupção na Petrobras, Pedro José Barusco Filho, ex-gerente de engenharia da Petrobras, estima que o PT tenha recebido entre US$ 150 milhões e US$ 200 milhões entre 2003 e 2013 de propina retirada dos maiores contratos da Petrobras, como o da refinaria Abreu e Lima, em construção em Pernambuco.

Barusco afirma que o tesoureiro do partido, João Vaccari Neto, teve "participação" no recebimento desse suborno. Vaccari Neto, de acordo com ele, ficou, até março de 2013, com US$ 4,5 milhões. Ainda segundo ele, em outra fase, houve pagamentos até fevereiro do ano passado.

O depoimento foi prestado no dia 20 de novembro último e veio à tona nesta quinta-feira (5). Barusco disse que Vaccari participou pessoalmente de um acerto fechado entre funcionários da Petrobras e estaleiros nacionais e internacionais relativos a 21 contratos para construção de navios equipados com sondas, contratações que envolveram ao todo cerca de US$ 22 bilhões. Tanto Vaccari quanto o PT negam veementemente terem cometido ilegalidades.

Leia tudo sobre: lavajatoLava JatoJoão Vaccari NetotesoureiroPT