Polêmicas precedem a estreia

Alvo de protestos nos EUA, filme “Cinquenta Tons de Cinza” é proibido na Malásia

iG Minas Gerais |

Relação. Cena de “Cinquenta Tons de Cinza”, que foca uma relação sadomasoquista
Focus / Divulgação
Relação. Cena de “Cinquenta Tons de Cinza”, que foca uma relação sadomasoquista

Ativistas norte-americanos estão pedindo para que os espectadores boicotem a adaptação do best-seller “Cinquenta Tons de Cinza” para o cinema. Criada por organizações contra a exploração sexual, a campanha sugere que as pessoas troquem o valor do ingresso por uma doação a abrigos e organizações que oferecem suporte às mulheres vitimas de abuso. Na visão dos ativistas, a protagonista Anastasia Steele, interpretada por Dakota Johnson, é uma dessas vítimas.

Dirigido por Sam Taylor-Johnson e estrelado por Jamie Dornan (como o excêntrico bilionário Christian Gray), o filme promete arrecadar US$ 60 milhões apenas no seu fim de semana de estreia, em pleno Dia dos Namorados nos EUA – essa é, ao mesmo, a previsão dos estúdios que o produziram. A trilogia de romances de E. L. James já vendeu mais de 100 milhões de cópias em todo o mundo.

Em outro canto do planeta, aliás, o longa também está causando polêmica. Ele foi proibido de ser exibido na Malásia pela Film Malaysian Censorship Board, uma espécie de comissão de censura do Sudeste da Ásia. Segundo o comunicado emitido pelo presidente da entidade, Abdul Halim Abdul Hamid, a produção é “mais pornografia do que um filme”. “O conselho tomou a decisão, tendo em conta que o filme contém cenas que não são de conteúdo sexual natural. O conteúdo é mais sádico, com cenas de uma mulher que está sendo amarrado a uma cama e chicoteada”, disse.

O filme terá pré-estreia mundial na próxima quarta-feira, dia 11, no Festival de Berlim, que começou ontem, e entra em cartaz em outros países, incluindo o Brasil, já no dia seguinte.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave