Aplicativo permite doar árvores para fortalecer a Cantareira

Para manter a mata ciliar do sistema da Canteira, o Instituto de Pesquisas Ecológicas desenvolveu uma forma de integrar o cidadão comum na luta contra a seca

iG Minas Gerais | JULIANA BAETA |

Imagem da represa Atibainha, abastecida pelo sistema Cantareira e foco da campanha
Odair Marcos Farinha/ Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos
Imagem da represa Atibainha, abastecida pelo sistema Cantareira e foco da campanha

O que eu tenho a ver com isso? Essa, talvez, é uma pergunta que muitas pessoas fazem ao se deparar com a crise hídrica que, recentemente, atingiu com força a região Sudeste, sem se atentar para a raiz do problema. Literalmente, já que um grande fator para a conservação dos recursos hídricos é justamente a manutenção das matas ciliares. E é por isso que o Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ) lançou recentemente a campanha "Doe árvores para o sistema Cantareira".

Ela surgiu no fim do ano passado passado, no "Dia de Doar", que é "celebrado' no dia 2 de dezembro. A data foi criada como um contraponto do Black Friday, que costuma acontecer na mesma época. Desde então, o instituto já plantou 125 árvores na represa Atibainha - umas das que integram o sistema Cantareira -, localizada na cidade de Nazaré, no interior paulista.

O custo de uma árvore é de R$ 20. A gerente de desenvolvimento institucional do IPÊ, Andrea Peçanha, explica para onde este dinheiro vai: "Este valor é correspondente a preparação do terreno, ao plantio da muda e a manutenção desta muda por 24 meses, que é o tempo que ela demora para ´vingar´. Depois disso, ela já está pronta para se desenvolver sozinha".

Ainda segundo Peçanha, o tempo que uma muda demora para se desenvolver e se tornar uma árvore capaz de "segurar" a margem é de cerca de 20 anos. "É um projeto a longo prazo, mas quando falamos em crise hídrica, temos que pensar também a longo prazo", explica. Segundo a presidente do IPÊ Suzana Machado, é talvez pela falta de planejamento e pensamento a longo prazo que a situação da água no Brasil chegou ao ponto onde está.

São cerca de 100 espécies diferentes nativas da Mata Atlântica, que poderão mudar as perspectivas para o futuro. 

Por meio de parcerias, o instituto já plantou 300 mil árvores na região. E com a campanha, pretende aumentar este número para 700 mil. Para doar, não precisa ir muito longe. Basta um clique no computador, por meio de um aplicativo do Facebook. Para ter acesso, clique aqui.