Advogado de Youssef pede a Moro que ex-sócio de doleiro seja preso

Ele diz ainda que tanto Meirelles como Nater não apresentaram provas das alegações de que Youssef estaria omitindo parte de seu patrimônio

iG Minas Gerais | Folhapress |

Advogado diz que há risco de morte devido doença de doleiro
OEDSON ALVES/ESTADÃOCONTEÚDO
Advogado diz que há risco de morte devido doença de doleiro

O advogado do doleiro Alberto Youssef, Antonio Figueiredo Basto, entrou nesta quarta-feira (4) com pedido ao juiz federal Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, para que Leonardo Meirelles, ex-sócio de seu cliente, seja denunciado pelo Ministério Público Federal e preso preventivamente por tumultuar o processo.

De acordo com a petição que Figueiredo Basto anexou a uma das ações penais da operação, Meirelles e seu advogado, Haroldo Nater, "passaram a urdir uma campanha pela imprensa contra Alberto Youssef". Em entrevista à Folha de S.Paulo no domingo (1º), o ex-sócio disse que o doleiro omitiu boa parte de seu patrimônio, o que anularia o acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal.

Com base na declaração, o advogado de Meirelles afirmou, na terça-feira (3), que pediria a anulação do acordo. "Provavelmente vamos pedir [a anulação] nas alegações finais", disse o advogado, na sede da Justiça Federal, em Curitiba, depois do depoimento do seu cliente a Sergio Moro. Figueiredo Basto anexou os textos do jornal à ação.

Ele diz ainda que tanto Meirelles como Nater não apresentaram provas das alegações de que Youssef estaria omitindo parte de seu patrimônio e, portanto, o ex-sócio do doleiro cometeu denunciação caluniosa --quando acusa-se uma pessoa de crime propositalmente de maneira injusta. "De forma leviana afirmam que Youssef omitiu seu patrimônio, mas não indicam provas e quando instados a fazê-lo, afirmam descaradamente que não podem provar o que dizem", diz a petição do defensor de Youssef.

Também segundo o documento, a postura atenta contra o andamento dos processos e poderia justificar um pedido de prisão preventiva. "No caso de Meirelles, a divulgação estrepitosa de mentiras pela imprensa visando atacar (sic) um acordo de colaboração processual é fato gravíssimo, que atenta contra a ordem processual, um dos motivos (...) que fundamentam a prisão preventiva".

O advogado diz que Meirelles mantém "postura arrogante e intemerata" e é "um criminoso confesso, mentiroso contumaz", que estaria sendo protegido pelo Ministério Público Federal ao não ser denunciado em nenhuma ação da Operação Lava Jato. Figueiredo Basto requer que Moro envie ao Ministério Público seu pedido, para que o órgão "avie denúncia contra Leonardo Meirelles pelos crimes de lavagem de dinheiro, evasão de divisas e falsidade ideológica".

Leia tudo sobre: lava jatolavajatoalberto youssefcorrupçãopetrobras